Construir Resistência
camara de gás

O Brasil na câmara de gás

Por Cristina Serra – Folha de S.Paulo
Na cidadezinha do Nordeste, Genivaldo de Jesus Santos é assassinado no porta-malas da viatura transformada em câmara de gás. Um dos assassinos lança o veneno sobre Genivaldo como quem aplica inseticida para eliminar uma barata.
Genivaldo grita e se debate em desespero. Suas pernas pedem socorro. Genivaldo pede socorro. Mas não será ouvido. Vai desmaiar e morrer nos próximos minutos o cidadão de Umbaúba, Sergipe. Brasil. Os agentes da Polícia Rodoviária Federal não fizeram uma “abordagem policial”. Cometeram um crime, sem dar chance de defesa à vítima. Homicídio qualificado, segundo o Código Penal.
Policiais trancam Genivaldo de Jesus Santos em viatura e jogam gás lacrimogêneo; – Reprodução
Também está errado referir-se à chacina na Vila Cruzeiro, no Rio de Janeiro, como “operação de inteligência”. Não podemos repetir essa ignomínia e, muito menos, aceitá-la, sob pena de nos tornarmos cúmplices. Nossa indignação tem que dar às coisas os nomes que elas têm: carnificina, mortandade, matança, morticínio, assassinato em massa. Quais os crimes atribuídos aos mortos? Sua culpa, sua máxima culpa, foi terem nascido pretos e pobres.
O governador Cláudio Castro e as autoridades de (in)segurança têm que responder por essas execuções. Sem qualquer freio ou controle, excitada pelo frenesi de violência do bolsonarismo, a polícia do Rio age sem se distinguir de esquadrões da morte ou grupos de extermínio.
O massacre foi planejado para deixar rastros de sangue e terror, intimidar e imobilizar a sociedade e as instituições. Na chacina da Vila Cruzeiro, como na do Jacarezinho, um ano atrás, os comandos policiais desafiaram explicitamente a ordem do STF de só fazer incursões nas favelas em situações excepcionais.
Nesta semana funesta, não pode passar em branco a hostilidade de empresários do Rio Grande do Sul que levou ao cancelamento da viagem do presidente do STF, Luiz Fux, para evento no estado, por questão de “segurança”. O bolsonarismo arreganha os dentes e prenuncia a radicalização extremista do período eleitoral.

Cristina Serra é jornalista e escritora. É autora do livro  “Tragédia em Mariana – a história do maior desastre ambiental do Brasil”. Formada em jornalismo pela Universidade Federal Fluminense

 

Nota da redação: este texto foi publicado originalmente no jornal Folha de S.Paulo. O Construir Resistência tem como prática não reproduzir artigos da imprensa privada, mas abre exceções para textos de jornalistas não alinhados com o golpe.

Ajude a monetizar o Construir Resistência abrindo e percorrendo os anúncios que aparecem nas páginas, pois vale o tempo de engajamento. É a maneira de remunerar o site de luta

Compartilhar:

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Email

Matérias Relacionadas

Rolar para cima