Construir Resistência
Militares eleição

Os carrascos da democracia

Por Cristina Serra

Ilustração de Aroeira

 

Militares não têm de dar pitaco em assunto que não lhes diz respeito

 

 

 

O governo Bolsonaro emprega em relação às eleições a mesma estratégia que usou desde o começo da pandemia. O negacionismo científico assume agora sua versão de negacionismo eleitoral. A cloroquina da campanha é o ataque incessante à urna eletrônica.

No auge da pandemia, Bolsonaro teve no general Eduardo Pazuello o executor do trabalho sujo que aumentou exponencialmente a mortandade dos brasileiros. Na fase atual da desconstrução nacional, o posto de capataz do assalto à democracia foi ocupado com desembaraço pelo ministro da Defesa, general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira.

Quase um ano atrás, Pazuello, ainda general da ativa, transgrediu regulamentos militares ao participar de ato político de apoio a Bolsonaro, no Rio de Janeiro, dias depois de ter prestado depoimento à CPI da Covid, no Senado. Na época, Oliveira era comandante do Exército, livrou a cara de Pazuello e ainda aplicou sigilo de cem anos ao processo disciplinar.

Sem máscara, o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello participa de ato político em apoio a Bolsonaro com motociclistas no Rio de Janeiro – Reprodução

Com que moral Oliveira cobra, agora, transparência do TSE sobre os questionamentos feitos pelas Forças Armadas à votação eletrônica? No intuito de perturbar o processo eleitoral, Oliveira exibe perfil ousado e provocador. Fustiga o poder civil enquanto tabela com Bolsonaro, que anuncia auditoria privada das urnas.

É ação de sabotagem escancarada, e facilitada por obra e graça do próprio TSE, que caiu numa armadilha criada por ele mesmo ao convidar militares para a Comissão de Transparência das Eleições. Foi um erro grave, que deu margem a este cenário anômalo e ameaçador.

Militares não são tutores nem moderadores do poder civil para serem chamados a dar pitaco em assunto que não lhes diz respeito. Ao contrário, eles têm uma dívida com o país, com a democracia e com os direitos humanos pelos 21 anos de ditadura. O TSE precisa exercer seu papel com altivez e coragem, bem como as demais instituições do poder civil. Tibieza e covardia servirão apenas para pavimentar o caminho dos carrascos da democracia.

 

 

Cristina Serra é jornalista e escritora. É autora do livro  “Tragédia em Mariana – a história do maior desastre ambiental do Brasil”. Formada em jornalismo pela Universidade Federal Fluminense

 

Nota da redação: este texto foi publicado originalmente no jornal Folha de S.Paulo. O Construir Resistência tem como prática não reproduzir artigos da imprensa privada, mas abre exceções para textos de jornalistas não alinhados com o golpe.

 

Compartilhar:

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Email

Matérias Relacionadas

Rolar para cima