Yes, nós temos bananas (nanicas, é verdade, mas, temos)

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram

Por Luis Otavio Barreto

Por vezes leio que o Brasil não é para amadores, e concordo. É preciso ser experimentado, ter ‘norráu’ em brasilices. Aqui o que parece de ponta cabeça, quando nos viramos pra ver, não está. Percebe o grau da coisa?! De modo que, veja o amigo, as calças do governador de São Paulo, senhor João Dória, justas que são, despertaram o interesse do presidente.

O amigo sabe o que é “BULGE”?! Se não, eu explico: bulge, ou pacote, protuberância, mala, neste contexto aqui, significa o volume formado na região dos genitais do homem. Há, para algumas pessoas, um interesse especial na observação destes detalhes. Eu, sinceramente, não sei se as senhôras e donzelas prestam-se a tal contemplação, mas, os rapazes que gostam de rapazes sim, bom, pelo menos os rapazes que gostam, bastante, daquilo maravilhoso*.

Agora que você já sabe o que é BULGE  e já sabe que existe uma galera que é chegada na observação, bom, as coisas ficam mais fáceis de serem compreendidas. O que, talvez, torne o BULGE uma coisa mais interessante, seja a observação velada, informal e tácita. Quer dizer, não se pede permissão para por o reparo. (risos) E, em geral, ao menos no primeiro momento, não se comenta sobre a fartura ou mixaria.

Agora é que a coisa começa a descambar para a esculhambação brasilística; em nenhum lugar, por mais exótico, folclórico e burlesco que possa existir sobre este redondíssimo planetcheenha, o ‘pacote’ (ai, Cher, eu preciso de muita maturidade pra usar essa expressão paccotchy – é igual pi’faizerrr) voltemos: em nenhum lugar da face da terra redonda, o pacote do governador do estado com a maior e mais importante cidade do país,  esteve na pauta presidencial.

PAUSA, PRO RIVOTRIL! Gente! Numa circunstância normal, assim, sem pandemia, sem meio milhão de mortos, sem a PIFAIZEERR implorando para nos vender a solução da PORRA DUM PROBLEMA sem precedentes, esse reparo no BULGE do governador, olha, por um presidente dito hétero, já seria um negócio estranho para um cacete – literalmente! Mas, mano do céu! A gente com meio milhão de mortos em baixo do nariz, com uma população fodida pra caramba, com um esquema de vacinação mais atrasado que o 308, gente, o cara vem falar da sunga apertada do governador?!

Dória, que não é bobo, e que gosta duma saliência (lembram da surubada?! Não?! Quem bom! Eu vi a foto. arrkkkk) mandou uma invertida que achei de um tudo: “dorme sonhando com calça apertada (de Dória) e acorda pensando na sunga apertada (de Dória”). Segue com: “É muito amor, Tonho da Lua deve estar morrendo de ciúmes”, Tonho é Carlos Bolsonaro ou Carluxo, filho do genocida e vereador do Rio de Janeiro.

Mas não é uma esculhambação?! Agora você imagina essa porra lá fora?! Não é, definitivamente, um país para amadores. Olha, nem as cartas com pentelhos do Dom Pedro Fisrt para a Marquesa of Santos são tão absurdas, aliás, outro ‘parangolé’ do campo dos fetiches…gente, não dá! É demais pra uma época só! Genocida e manja rôla. Parafraseando o Gil, do Big Brother: “Beescha, puta que pariu, o Brasil tá lascado.”

(*) sinônimo para aquilo mesmo que você tá pensando, criado por uma filha doidona da Baby Consuelo.

 

Luis Otavio Barreto é músico pianista e professor de língua portuguesa.

Veja também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *