Ventres

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram

Construir Resistência recomenda a leitura dessa obra coletiva

VENTRES é mais que uma antologia poética, é um grito feminal, uma comunhão de travessias e atravessamentos de versos, existências e sobrevivências. É um livro urgente e insurgente. Nessas páginas há mergulho em águas profundas onde a poesia é correnteza, maré cheia e tempestade.

Assim gestamos e parimos Ventres… Um parto coletivo de mulheres diversas, poetas marcadas pela palavra-mundo com todas as subjetividades, sentidos, sentimentos-força que matizam a pluralidade de nossos corpos, passos, bandeiras e sensibilidades. Irmanadas pela potência da voz, lançamo-nos querendo derrubar muros, quebrar espelhos de invisibilidade, mover estruturas.

Iniciamos nossa estrada há cerca de um ano e meio. Delimitamos fronteiras a partir de ideologias e princípios firmes que abraçam os feminismos, a solidariedade e se opõem claramente ao fascismo, ao racismo, à homofobia e à qualquer forma de opressão. SOMOS POESIA PARA A LIBERDADE!

Em 2020, construímos uma ação nas redes voltadas para os “21 dias de Ativismo pelo fim da violência contra a Mulher”. Nesta atividade ampliamos nosso Coletivo com a chegada potente de cada mulher que trouxe consigo poesia, mãos dadas e rebeldia. 21 dias de vídeos… 21 dias de encontro e resistência! SOMOS A INCONFORMIDADE!

E sabemos que não caminhamos sós… Reverenciamos todas as outras mulheres que vieram antes de nós, carregamos suas vozes ancestrais em nossas gargantas. SOMOS COLETIVAS!

Bem-vindas, bem-vindos, bem-vindes ao nosso Ventres! Com vocês, a palavra…

(Renata Corrêa – Um convite ao pé da orelha)

ORGULHO EM CAMINHAR DE MÃOS DADAS COM ESSAS MULHERES
@editorahecatombe
@editoraurutau

Veja também

A teimosia que mata burros

Por Tião Nicomedes Na Conferência da #ONU – Organização das Nações Unidas, a delegação  brasileira… A comitiva presidencial tem e teve uma

Um país dividido

Por Miriam waidenfeld Chaves Jussara cresceu com os olhos grudados na televisão. Cantava e dançava sem parar na frente da telinha para

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *