Um terço das mulheres em todo o mundo já sofreu violência

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram

Números divulgados pela OMS não incluem período da #pandemia da covid-19

Adriana do Amaral

Embora os números sejam assustadores a realidade é ainda pior, pois os dados divulgados na terça-feira (9), pela Organização Mundial da Saúde, não retratam os períodos de #isolamentosocial e sazonalidade de mobilidade durante o último ano.  O relatório “Estimativas Globais, Regionais e Nacionais sobre Violência de Parceiros Próximos a Mulheres e Estimativas Globais e Regionais de Violência Sexual advinda de Não-Parceiros”. indica que a sociedade está perdendo a batalha para violência contra a mulher.

De acordo com a #OMS, 641 milhões entre as 736 milhões de mulheres foram agredidas pelos “companheiros íntimos” e as demais por pessoas conhecidas. Realidade que não escolhe vítimas, como explica o diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus. “A violência é endêmica, em todos os países e cultura.”, afirmou.

Agressões que não se restringem ao ambiente doméstico, pois seis por cento das mulheres ouvidas foram vítimas de violência sexual, por desconhecidos. O relatório aponta que este número é subestimado, pois muitas vítimas “temem o estigma de relatar um crime sexual”.

Já a violência de gênero não poupa as mais jovens, mostrando que o machismo estrutural ainda é regra na sociedade. Vinte e cinco por cento das adolescentes e jovens entre 15 a 24 anos sofreram agressões.

Fenômeno social que indica que a violência é replicada entre gerações, inclusive ameaçando as vidas das mães mais jovens. O que perpetua modelos nas famílias e nos filhos, como se bater em mulher fosse comum e direito.

Para Phumzile Mlambo-Ngcuka, da #ONUMulheres, é preciso que os governos se posicionem na proteção às mulheres. “Eles devem tomar medidas fortes e pró-ativas para combater a violência, que é uma pandemia paralela.”

Durante a #pandemia da #covid-19, testemunhamos no Brasil da recessão econômica a luta das mulheres, “arrimo de família”, sem renda ou driblando o orçamento com a parca remuneração advinda do trabalho informal e mal remunerado. Sem direitos laborais, sem estabilidade e principalmente sem receber o Auxílio Emergencial. A fome avança e com ela a violência doméstica aumenta.

A ONU esclarece que alguns países criaram linhas de apoio destinadas às mulheres, mas o relatório, que se baseia em coletas de informações no período entre os anos 2000 e 2018, não tem dados atualizados sobre a violência recente. Recomenda, entretanto, que “a prevenção da violência requer enfrentamento de desigualdades socioeconômicas, acesso à educação e ao trabalho seguro, além de mudanças de normas e instituições discriminatórias”.

Números impressionantes

– 37% das mulheres entre 15 e 49 anos que vivem nos países mais pobres são vitimadas pela violência doméstica (física e sexual):

América Latina e Caribe: 25%

Sudeste da Ásia: 21%,

Ásia Oriental:18%,

Europa: 16 a 23%.

.

Nota da Autora: 

A foto que ilustra este texto mostra mulheres brasileiras que tiveram os seus corpos mutilados pelo chamado “maníaco do ácido”. Em 1989, e os atentados se sucediam em plena rua, em São Paulo. Apesar de apenas dez mulheres registrarem o Boletim de Ocorrência, estima-se que pelo menos 50 mulheres tiveram parte dos corpos desfigurados. A imagem mostra a denúncia feita ao ex-governador Luiz Antonio Fleury Filho, então Secretário Estadual de Segurança Pública.

Crédito: GazetaViews

Leia mais em:

https://news.un.org/pt/story/2021/03/1743912

Veja também

A teimosia que mata burros

Por Tião Nicomedes Na Conferência da #ONU – Organização das Nações Unidas, a delegação  brasileira… A comitiva presidencial tem e teve uma

Um país dividido

Por Miriam waidenfeld Chaves Jussara cresceu com os olhos grudados na televisão. Cantava e dançava sem parar na frente da telinha para

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *