Tá chovendo #Covid-19

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram

Por Tião Nicomedes

Seria uma desculpa para pernoitarem  debaixo da marquise do prédio comercial. Continuar deitados o dia todo atrapalhando a passagem dos pedestres e o acesso dos fregueses aos brechós, cabelereiros, eletrônica?

O prédio antigo, no centro de #Sampa, de quina com Avenida São João.

Já foi hotel de luxo. Já foi gravadora de discos . Já foi a famosa balada Traquers. Reunia a galera Vip. Só a nata. Só top.

Tem tudo para voltar a ser um prédio residencial. Bem podia virar uma moradia social. República. Hotel social ou coisa do tipo.

Porém, carece de uma baita reforma. Refazer rede de água e luz.

Hoje funcionam de forma precária, até o 4o. andar até que tudo está em ordem. Mas do 5o. ao 10o.? O retrato do abandono.

Foi uma década de atrasos. Os proprietários se esforçam pra colocar o IPTU em ordem: o formato, a recuperação do padrão  de qualidade do imóvel.  Passa por duas frentes:

1. locação de salas, com preços  abaixo do valor que é  cobrado da região;

2. venda do imóvel, etapa que corre exatamente ao contrário.

São dezenas de milhões de reais. Interessados, acompanhados de corretores, visitam o prédio o tempo todo. Mas, entre oferta e contra propostas o tempo vai passando…

Bem alheios a tudo que acontece pelo lado de dentro, ali embaixo da marquise, os moradores em situação de rua, amontoados entre cobertores de feltros e trapos forrando o chão, a mesinha improvisada sobre o caixote de mamão.

Assim vão  recebendo as doações de quem passa. E, saciados de comidas, mangueam ajuda pra interá da cachaça.

“Álcool pra espantar o frio e proteger do #coronavírus.

A fuga  da realidade se faz necessária.

De fato, estão expostos nessa pandemia.  Alguns com #AuxilioEmergencial e outros benefícios. Mas não conseguem alugar um canto pra morar.

Restam os condomínios das calçadas.

De fato, essa marquise veio bem a calhar.

Quis o destino me pregar mais uma  peça. Vim ser zelador justo desse lugar!

Administração do prédio contratou porteiros e seguranças.  E aí reclamam que o pessoal da rua tá aqui por minha causa, que eu não deixo zoar com eles.

Eu apenas digo que é um problema social. Não sou comunista. Sou humano.

E as pessoas que pernoitam não interferem na fachada.

Tanto o prédio quanto a prefeitura só querem maquiar a cidade. Mas, a #pandemia escancarou e as capitais todas estão nessa situação. As belezas do grandes centros urbanos concentram luxo e miséria

E aí, vereador? Me chamam assim, bem na frente do meu chefe.

De fato, fui candidato. Mas esses aqui nem título de leitor eles tem. Eles tão nem aí pra política.

Por hoje só querem se proteger da garoa gelada.

Tião Nicomedes
Sebastião Nicomedes de Oliveira é “poeta das ruas”. Autor da peça teatral Diário de um Carroceiro e do livro As Marvadas é artista popular. Ex-catador e ex-morador em situação de rua, integra o MIPR (Movimento Internacional de População em Situação de Rua).
Foto: Tião Nicomedes

Veja também

Vim das selvas

Por Adriana do Amaral Quando o presidente da Argentina, Alberto Fernández, disse que “os brasileiros vieram da selva”, muita gente se revoltou

#19J

São inúmeras as razões de ir às ruas, hoje. #Comidanoprato #Vacinanobraço #Forabolsonaros #Vidasimportam  

Criptomoedas e suicídio

Por Ari Meneghini Ocorreu há dois dias mais um suicídio de um jovem que tentou ficar rico rapidamente com as criptomoedas. Perdeu,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *