Seleção brasileira: um roteiro que virou a Copa da Morte

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram

Por Simão Zygband

Charge do Duke

Vi uma postagem que explica muito sobre a atual tragédia do futebol brasileiro. Ela dizia o seguinte: “Dos últimos quatro presidente da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), o 1º foi banido da FIFA; o 2º ficou cinco anos preso nos EUA; o 3º é procurado pela Interpol e o 4º é acusado de assédios moral e sexual. Não resta dúvida de que a camisa mais adequada a se usar num ato bolsonarista é a amarelinha”.
Não é preciso dizer que o futebol brasileiro, cuja seleção concorda em participar de uma Copa América sediada no Brasil em plena pandemia da Covid-19, incentivada pelo genocida Jair Bolsonaro (quando já morreu cerca de meio milhão de brasileiros), mostra o drama moral que tomou conta do país após a ascenção do fascismo ao poder.
No golpe articulado contra a presidenta Dilma Rousseff, os golpistas saíram às ruas de todas as cidades médias e grandes do Brasil, utilizando a camisa verde-amarela da seleção brasileira de futebol. Foram conclamados às ruas pelas emissoras privadas de rádio e TV, chegando ao cúmulo de marcharem junto a um pato levado à avenida Paulista, uma das mais importantes da capital paulista, pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).
O slogan da Fiesp perguntava: “Quem vai pagar o pato?”. Muito rápido todos os brasileiros obtiveram a resposta. A multidão idiotizada de admiradores do pato, utilizando o “manto sagrado” da seleção brasileira, conseguiu macular um símbolo que pertence a todos os torcedores brasileiros e não somente aos golpistas convocados pela mídia.
Pior aconteceu logo em seguida, quando da realização da Copa do Mundo no Brasil. Alguns incautos, para fustigar o governo de Dilma Rousseff e seu padrinho político, Luiz Inácio Lula da Silva, construíram o movimento “Não vai ter Copa”, reunindo rapazes “bombados” da direita com inconsequentes da esquerda que não perceberam que faziam exatamente o jogo dos fascistas brasileiros. Alguns diziam que “queriam hospitais padrão Fifa ao invés de estádios”. Agora se calam quando faltam leitos para o combate à Covid-19, negligenciados pelo governo fascista.
Na Copa de 2014, realizada em solo pátrio, nada poderia ter saído pior. Dentro de campo, a seleção, tomada pela mentalidade golpista, teve uma atuação abaixo de medíocre. Parecia que haviam amolecido o jogo exatamente para prejudicar o governo do PT. O resultado foi o maior vexame já ocorrido com a seleção brasileira em Copas do Mundo em todos os tempos: o Brasil foi tripudiado por 7×1 nas semifinais da competição, e o resultado só não foi pior por que os alemães se apiedaram do escrete canarinho. Vexame histórico.
Para completar as já vexatórias apresentações da seleção brasileira naquela Copa de triste memória, o atacante Neymar, o craque do time, sofreu uma estranha contusão nas costas e desfalcou o time na semi-final contra a Alemanha. Mesmo contundido, adentrou o estádio carregando seu material esportivo. Bem atípico para quem está machucado na lombar. Logo estaria fazendo coro com os apoiadores do genocida Bolsonaro.
A partir da goleada, o futebol brasileiro nunca mais encontrou o eixo e coleciona vergonhas em tudo o que se relaciona a ela. A mais recente é a equipe aceitar disputar nos mesmos estádios onde passou o maior vexame de sua história, uma Copa América que pretende criar uma cortina de fumaça para encobrir a responsabilidade do governo genocida nos quase meio milhão de mortos. Houve uma ameaça de que a equipe não aceitaria participar dos jogos, mas a pressão do governo fascista parece ter falado mais alto. Não devem ter feito nenhum esforço, dada a falta de consciência do atual escrete brasileiro. Se transformou assim na Copa da Morte.
Não é improvável que a equipe que compactuou com o bolsonarismo colha em campos os mesmos fracassos da Copa do Mundo de 2014. As torcidas organizadas já realizam protestos de repúdio à Copa da Morte no Brasil. A luta continua.
A conferir.

 

Veja também

Vim das selvas

Por Adriana do Amaral Quando o presidente da Argentina, Alberto Fernández, disse que “os brasileiros vieram da selva”, muita gente se revoltou

#19J

São inúmeras as razões de ir às ruas, hoje. #Comidanoprato #Vacinanobraço #Forabolsonaros #Vidasimportam  

Criptomoedas e suicídio

Por Ari Meneghini Ocorreu há dois dias mais um suicídio de um jovem que tentou ficar rico rapidamente com as criptomoedas. Perdeu,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *