Construir Resistência
20230303200332 D3d54e0eace9737ebc1a45ccf56b628b02347d8dbba456a3dee17050e7fb90df

Ruy Castro, 76 anos, virou um tio-avô do zap atacando Lula

Por Moisés Mendes 

“O cronista da Folha adota o etarismo raso da extrema direita para tentar interditar Lula”

20230303200332 D3d54e0eace9737ebc1a45ccf56b628b02347d8dbba456a3dee17050e7fb90df
Foto: Instagram

Ruy Castro tem 76 anos e se mantém há décadas como cronista da Folha por preservar a plenitude da sua capacidade de fazer jogo duplo e refletir sobre platitudes. Ruy Castro é o caso clássico do sujeito que vive do que já foi, mas é assim também que se vive.

Seu talento de cronista vai se sustentando na poupança do seu passado. Mas ninguém irá questionar a capacidade de Ruy Castro de chegar à velhice atacando Dilma, como fez ao lado dos golpistas, de ser anti-Lula (o que é um direito dele) e de ser agora militante de um etarismo raso.

Ao comparar Lula a Biden, insinuando que Lula é um idoso sem condições de se reeleger, ele não sugere que esqueceu a própria idade. O que não esconde é que se alinhou aos ‘jovens’ de extrema direita que vão bater em Lula para que os brasileiros o vejam como se fosse um Biden. Castro deve se achar forever young.

Numa abordagem cordial, poderia ser dito que o cronista foi cruel com o maior líder político brasileiro desde Getúlio, que era chamado de ‘o velho’, mas carinhosamente. Por que enfatizar no artigo que Lula já teve câncer?

Ruy Castro virou mais um tio-avô do zap, desses que cantam o hino para pneus e inspiram muito do que ele escreve. Seu texto o habilita a ser o líder do ataque à idade de Lula, para que, com sua reputação, puxe outros apitos e acorde as hienas bolsonaristas. Faz o jogo do fascismo, não para atacar um idoso, mas para tentar interditar Lula.

O que Castro acaba revelando é que Lula é temido exatamente pela lucidez de quem chegou aos 78 anos. A velha direita engolida pela extrema direita fica desconfortável ao ver que Lula não envelhece, nem mental nem fisicamente. Eles achavam que Lula sairia da cadeia para fazer jardinagem com Janja.

A crônica de Ruy Castro é uma contribuição aos esforços para ressuscitar o bolsonarismo mais repulsivo. O jornalista reforça na velhice as ideias e as ações da mesma turma do golpe, das milícias civis e militares, da grilagem, do garimpo, das rachadinhas e do PL do estupro, para atacar um homem que continua ativo e lúcido governando o país.

Ruy Castro não precisava reconhecer que Lula passa a ser exemplo de vitalidade para outros idosos. Nem admitir que gente com a idade de Lula produziu obras monumentais, em qualquer área.

Mas não precisava depreciar o tempo de vida de Lula com argumentos do bolsonarismo e do trumpismo, quando se sabe que o problema de Biden não é a idade, mas a comprovada confusão mental.

A aparente confusão de Castro é outra. Ele teme que Lula seja inspirador de velhices em todas as frentes, na vida anônima dos comuns, nas artes, nas escolas, na política, no jornalismo.

Castro teme os idosos que continuam ativos e dignos e não se dobram aos fascistas de todas as idades. Assuma seus 76 anos e pare de babar para a extrema direita, Ruy Castro.

Fb Img 1697849301917

Compartilhar:

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Email

Matérias Relacionadas

Rolar para cima