Resultados da necropolítica do vivendeiro

Segundo o delinquente-mor, o cidadão precisa estar armado para se defender. E assim fomentou a resposta violenta ao entrevero. Até o fim de 2021, já havia colocado 478.135 novas armas de fogo em circulação no país.

No domingo, em Bagé, no Rio Grande do Sul, um casal discutia na rua. A advogada Ana Laura Borba, de 28 anos, tentou apartar a briga.

Como não obteve sucesso, entrou em casa e pegou um revólver calibre 38 para tentar amedrontar o homem descontrolado.

Pois o indivíduo tomou-lhe a arma e disparou cinco vezes contra a turma do deixa disso. Um dos tiros atingiu o peito de Ana Laura, que veio a falecer.

Está aí o resultado trágico da campanha de armamento do miliciano, bem comissionada pelos empresários da morte.

Armas não fornecem proteção, exceto para os bandidos. O que promove a paz é educação, comida na mesa e civilidade.

 

Veja também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.