Quando a ficção nos vira pelo avesso

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram

Por Beatriz Herkenhoff

Um dos melhores filmes que assisti em 2020

Gosto de filmes que me viram pelo avesso.

O que quero dizer com essa expressão? Quando um filme faz pensar, desestrutura minhas defesas, convicções, crenças e limites. Toca minha alma e convida a repensar a vida de forma mais profunda.

Alguns filmes são tão impactante em suas denúncias que é como se dessem um soco no meu estômago.

Vou indicar três filmes que me viraram pelo avesso: Agnus Dei (2016), Julieta (2016) e O Milagre da Cela 7(2019). Os dois primeiros, assisti no Cine Jardins, Vitória, ES (antes da pandemia). O último está entre os melhores filmes que vi em 2020 (Netflix).

Se você ainda não assistiu Agnus Dei e Julieta, avalie se é o melhor momento. Cada um sabe dos seus limites em relação a temas mais pesados. Entretanto, ultrapassar os nossos limites de vez em quando é preciso.

Faço o alerta porque tem filmes que amei, mas, que não veria nesse momento. A realidade já está muito dura, precisamos de filmes que mesmo tristes, tragam esperança.

Por isso, indico para o momento atual, o filme Milagre da Cela 7. É denso e intenso em suas denúncias, mostra a crueldade humana, mas, é carregado de esperança.

Precisamos de um olhar delicado e esperançoso no momento. Sentimentos necessários para enfrentarmos os desafios atuais.

Imagem: reprodução

O Milagre da Cela 7 (2019) é um filme turco envolvente, sensível e belo. Apesar de pesado, resgata a esperança, o lado bom do ser humano, a luz que há em cada um. Retrata a dureza da vida em contraste com a inocência. Cada diálogo, cada cena, cada acontecimento são significativos e tocantes.

São muitos os temas abordados: inocência, pureza, amor sem limites, perdão, empatia, solidariedade, loucura, culpa, injustiça, soberba, prepotência, superioridade entre as classes, manipulação pelo poder, bullying, preconceito, brutalidade humana e policial. Amizades que florescem em ambiente duro e frio. Dores sendo curadas. Metáforas religiosas referentes à redenção, pecados, culpa, amor ao próximo são abordados de modo sutil e sensível.

Somos transportados para o mundo de Memo (um pai solteiro, com deficiência intelectual) que vive com sua filha Ova e a avó (que cuida dos dois). É muito forte e emocionante o amor entre pai, filha e avó, expresso nos diálogos, na cumplicidade, na identidade, no cuidado, na proteção e no compromisso com a verdade.

A pureza, inocência e bondade, presentes na criança e no pai, envolve e cativa a todos. Humaniza pessoas duras e aparentemente insensíveis.

Agnus Dei (2016) é impactante, forte, denso, intenso, questionador, belo, sensível e profundo. Levanta questões como: até que ponto a crueldade humana (a guerra, o estupro, a violência) podem nos destruir e roubar a fé?

Existem saídas para vivências tão desestruturantes? Até onde podemos ir em nome da fé e da preservação de princípios e valores?

Um filme que exige reflexões profundas, digestão da alma e da psiquê. Para potencializar toda a sua riqueza somos convidados a desvendar cada cena, cada mensagem.

Julieta (2016), do cineasta Pedro Almodovar é denso, intenso, pesado, forte, envolvente, questionador, que vai se revelando lentamente. Como se fosse um thriller, sem crimes, sem assassinatos.

Eu amo Almodovar (alguns odeiam). Seus filmes sempre me viram pelo avesso. Ele tem a capacidade de nos transportar para o centro das emoções do personagem. Mais do que isso, nós entramos na tela, e o filme entra em nós e nos leva a pensar nele durante vários dias.O diretor trabalha lindamente o erotismo, a luminosidade de corpos que se amam, que precisam se encontrar para partilhar com intensidade seus desejos. Simultaneamente, aborda de forma delicada e sensível a curta distância entre o amor e a dor, o luto e a depressão. O poder destruidor e avassalador da culpa e do silêncio diante dela.

Muitos são os questionamentos: como o silêncio nos impede de elaborar processos e juntar os cacos que se espalham quando algo se quebra em nossa vida? Como as lembranças do passado nos acorrentam e impedem de viver um presente com mais intensidade?

Três filmes com temas muito distintos, mas, que fazem pensar que o lado direito tem o seu avesso.

Beatriz Herkenhoff é cinéfila e testemunha da importância da terceira arte nesses tempos de #isolamentosocial. Doutora em serviço social pela PUC São Paulo, professora aposentada da Universidade Federal do Espírito Santo.

Veja também

A teimosia que mata burros

Por Tião Nicomedes Na Conferência da #ONU – Organização das Nações Unidas, a delegação  brasileira… A comitiva presidencial tem e teve uma

Um país dividido

Por Miriam waidenfeld Chaves Jussara cresceu com os olhos grudados na televisão. Cantava e dançava sem parar na frente da telinha para

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *