Construir Resistência
Em Meio A Tentativa De Golpe Na Bolivia Arce E1719442552139 960x540

Presidente boliviano determina prisão de general golpista

Do jornal Lá Razion – Bolívia 

Em Meio A Tentativa De Golpe Na Bolivia Arce E1719442552139 960x540

O general Juan José Zúñiga foi preso após a tentativa de golpe contra o presidente Luis Arce. A prisão foi realizada nas portas do Estado-Maior de La Paz.

No despacho aplicado pelo vice-ministro do Regime Interior e da Polícia, Jhonny Aguilera. Zúñiga tomou a Praça Murillo junto com tanques e militares.

O Governo denunciou uma “tentativa de golpe de Estado”, Arce chegou a apelar à população para defender a democracia. Ele então nomeou um novo Alto Comando Militar.

Aprehendido
O golpista Juan José Zúñiga

Do Granma – Cuba

A Plaza Murillo (Palácio presidencial) testemunhou o conglomerado de pessoas que celebram a derrota da tentativa fracassada de golpe, que expressam entre si palavras de ordem: Lucho não está sozinho. Em resposta, o Presidente Arce destacou a coragem de defender o povo e a paz

Screenshot 20240627 093710 Chrome
O povo nas ruas para resistir ao golpe 

O vice-presidente da Bolívia, David Choquehuanca, denunciou que a tentativa fracassada, articulada pelo Comandante Geral do Exército Boliviano, Juan José Zuñiga, foi desmantelada.

Acrescentou que a população permanece alerta e também rejeita a mobilização que foi lançada a partir dos diferentes comandos.

Agradeceu à população bolivariana e argumentou que estão sendo realizadas vigílias em defesa da democracia.

O Ministério Público da Bolívia ordenou, em comunicado oficial, a prisão de Juan José Zúñiga e ressaltou que serão realizadas investigações sobre os demais líderes militares envolvidos.

As autoridades de imigração estão alertas e tomando medidas para evitar que Zúñiga saia do país.

Por que você tentou realizar um Golpe de Estado?

O general Juan José Zúñiga foi demitido do cargo militar na última terça-feira, depois de dizer aos meios de comunicação que as Forças Armadas não permitiriam a reeleição de Evo Morales.

Zúñiga, minutos antes do golpe, exigiu a dissolução imediata do governo boliviano e a nomeação de um novo gabinete de ministros para estabelecer “uma verdadeira democracia”, segundo a mídia local.

BOLÍVIA CELEBRA DEMOCRACIA E PAZ

Ao mesmo tempo que o Gabinete de Ministros ratifica o seu apoio ao governo Arce e a polícia assume o controle da Plaza Murillo, torna-se evidente a celebração por parte do povo, pelo fracasso do golpe de Estado.

O povo canta as notas do hino nacional boliviano e aclama que o general Zúñiga deve responder perante a justiça pela tentativa de golpe, pelos feridos e pelo impacto do gás lacrimogêneo sobre os cidadãos.

As forças militares retiraram-se da Plaza de Murillo depois que o presidente Arce empossou um novo Alto Comando Militar, nomeando José Wilson Sánchez como comandante das Forças Armadas.

As imagens da Telesur refletem a retirada dos tanques da praça, por ordem do novo comando, e o retorno às suas unidades militares.

Os cidadãos concentraram-se em torno do golpe de Estado fracassado, destacando o apoio. O presidente expressou que o que aconteceu em 2019 não pode ser revivido.

O ex-presidente Evo Morales havia convocado uma greve geral e o fechamento de estradas contra a tentativa de golpe em curso, segundo o canal estatal Bolivia TV.

Tanto o presidente Luis Arce quanto o ex-presidente Evo Morales denunciaram movimentos irregulares de diferentes divisões do Exército para a Plaza Murillo em La Paz, após declarações do Comandante Geral do Exército Boliviano, Gen Brig Juan José Zuñiga nas quais manifestou sua decisão de “impedir” Morales de concorrer novamente como candidato presidencial, o que levou à sua imediata destituição do cargo.

Apelamos aos movimentos sociais e populares da região para que estejam alerta e se mobilizem para defender a vontade popular do povo boliviano que elegeu Luis Arce Catacora como seu presidente em 2020, e nos solidarizamos com as organizações e o povo da irmã Bolívia contra uma nova tentativa de golpe.

As forças populares e democráticas de Nossa América exigem respeito à democracia na Bolívia, que não só soube se defender e derrotar o governo de facto imposto a sangue e fogo em 2019, mas construiu um processo de mudança que é hoje um exemplo em o nível regional e global de um Estado Plurinacional onde os povos são protagonistas e onde a integração da América Latina e do Caribe é uma prioridade.

O general Juan José Zúñiga, chefe do Exército, disse hoje que junto com três comandantes veio tomar a casa presidencial e mudar o Gabinete, enquanto os militares gaseavam a população concentrada em torno da Plaza Murillo.

Os soldados entraram na Casa Grande del Pueblo (sede do governo) vestidos com trajes de combate.

«Denunciamos mobilizações irregulares de algumas unidades do Exército Boliviano. “A democracia deve ser respeitada”, escreveu o dignitário na sua conta X (antigo Twitter).

A chanceler, Celinda Sosa, falou no mesmo sentido, com um apelo à comunidade internacional face à tentativa de golpe e solicitando a condenação internacional.

O canal estatal Bolivia Tv mostrou como a Polícia Militar com escudos antimotim impede a livre circulação de pessoas e viu como gasearam civis que tentavam se aproximar da Casa Grande del Pueblo (sede do governo).

Anteriormente, o ex-presidente Evo Morales denunciou nesta quarta-feira um suposto “guarnição” das Forças Armadas.

«Há uma hora, os comandantes de divisão instruem os comandantes de regimento a retornarem imediatamente aos seus quartéis para aguardar novas disposições (aquartelamento).

“Isso levanta muitas suspeitas sobre o movimento militar na Bolívia”, escreveu ele em sua conta no X.

A população se mobilizou em direção à Plaza Murillo com palavras de ordem em defesa da democracia.

A ministra da Presidência, María Nela Prada, denunciou no canal estatal que as tropas tomaram todos os cantos da Casa Grande del Pueblo, da Chancelaria e da Assembleia Legislativa.

Indicou que aparentemente é a resposta do General Zúñiga após a sua demissão hoje por emitir declarações deliberativas no sentido político, o que constitui uma ruptura na ordem constitucional. (PL)

Compartilhar:

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Email

Matérias Relacionadas

Rolar para cima