Papos de livraria

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram

Por Marlene Carvalho

Eu estava no sebo Lima Barreto, escolhendo livros e chegou um homem alto, um pouco curvado, mas não era velho. Conversou com o dono da livraria sobre livros e autores. Falava sem afetação sobre suas leituras: Beckett, Nabokov, Flaubert, Balzac e outros. Fiquei impressionada com seu modo apaixonado, mas  direto e simples de falar de literatura e quase fui lá cumprimentá-lo. Ele saiu levando uma sacola de livros.

Entraram então duas moças bonitas e elegantes que pediram ao livreiro livros para decoração. Ele perguntou: sobre decoração? Não, para decorar uma estante. O livreiro não demonstrou espanto e mostrou livros encadernados, edições antigas. Parece que era isso que as moças queriam, ficaram escolhendo.

Nisso, entra uma mulher grisalha, tênis e roupa esportiva, um suéter pendurado no pescoço. Queria livros de Olavo de Carvalho. O livreiro lhe deu um, ela queria mais. Não tinha. Então ela disse que Olavo (se referia a ele como se fosse um primo) estava no Brasil para tratamento médico, o livreiro perguntou por que não se tratava no EUA, ela respondeu que Olavo prefere se tratar no Brasil. E comentou que vai haver muita procura dos livros de Olavo.

Eu tive vontade de me meter na conversa, mas pensei melhor e fui embora com minhas compras. Um livro de contos de Fitzgerald (20 reais) e a fotobiografia de um nobre russo ( 20 reais), ambos em ótimo estado. Nada como passar meia hora numa livraria.

 

Marlene Carvalho é escritora e professora da UFRJ.

Veja também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *