Construir Resistência
Luiz Lanzeta

O sado-bolsonarismo e o gado-masoquismo à solta pelo mundo

Por Luiz Lanzetta

O pior ser humano a ser presidente do Brasil tem humilhado o país e a seus habitantes por ruas, salões e eventos pelo mundo afora. Tem se degradado pessoalmente, também, à frente de líderes, instituições e do povo em geral.
É a cólera dos deuses contra todos os princípios éticos da humanidade.
E nem liga, sem vergonha que é. Orgulha-se (e seus seguidores também) desse processo de auto-imolação através da degradação política, social e humana.
A soberba da sua putrefação política, embala a humilhação grupal dos apocalipses cotidianos.
Quem quiser entender o “fenômeno Bolsonaro”, o “bolsonarismo” e o neonazismo macunaímico, não deve recorrer aos mecanismos tradicionais do jornalismo e da ciência política. Esses métodos estão aquém do necessário. São para cenários e conjunturas dentro das normalidades históricas.
Estamos todos perplexos, boquiabertos, com o “todo dia tem coisa ainda pior”.
Se quiserem, podem fechar a boca, retorcer olhinhos e pensar: “quem sabe é por aí…” e lançar mão das ferramentas intelectuais dos pervertidos. Métodos para entender a excreção cósmica que veio das associações entre os piores da raça.
A opção é procurar autores inusitados, interdisciplinares e escatológicos, nos dois sentidos.
Recomendo, de meu lado nada sério, como um exemplo para este estudo de caso, o múltiplo talentoso Donatien Alphonse François, o Marquês de Sade, este libertino político e escritor do século 18.
A figura bolsonarista e a de seus seguidores repugnantes, só se descortinará sob as intensas luzes das velas do pervertido nobre francês e dos seus pingos calientes sobre nossas inocentes epidermes.
O fenômeno político, social e cultural que vivemos é um caso de sadomasoquismo coletivo.
Escandalosos 25% da população em êxtase de prazer sob chicotes e algemas.
Uns cerca de 60 milhões de bestializados, possessos e desatinados.

A psiquiatria uniu Sade (o prazer de causar sofrimento, o sadismo) ao escritor Sacher-Masoch que, no século 19, descreveu a arte de apanhar por prazer.
O sado-masoquismo foi consagrado por Sigmund Freud, o do charuto.
Agora, tem que migrar para as colunas políticas.
No século 21, temos no pobre Brasil, a grande fusão: o “sade-bolsonarismo” passeando no grande hospício nacional de braços dados com o “gado-masoquismo”.
Há casos quase diários de coprofagia explícita, sublinhando atividades políticas e administrativas.
“Aquele que se humilha deseja ser exaltado”, lembra Friedrich Nietzsche, em Humano Demasiado Humano.
Podemos completar: a exaltação da humilhação, da má fé e da burrice são características do momento.

As manifestações explícitas de sado-bolsonarismo e de gado masoquismo apareceram logo no início da gestão copro familiar do país.

O que é golden shower?”, perguntou Bolsonaro no Twitter na primeira quarta-feira de cinzas do atual desgoverno.
O que seria apenas uma gafe ligeira, passou a ser um debate nacional sobre a chuva dourada, a arte de fazer xixi no alheio, para o prazer de ambos.
Também existe o amor às fezes, chamado de coprofagia, que faz parte de conversas frequentes e profundas em cercadinhos e redes sociais.
O cidadão de quinta e anti presidente, atracou-se ao tema como os seguidores do Marquês.
Sem disfarçar o seu prazer interior, começou a controlar o cocô nos lares brasileiros, sugerindo que os cidadãos de bem ou não, “fossem aos pés” (pelotês raiz) dia sim, dia não, como forma de diminuir a poluição das águas.
Talvez o conselho coletivo mais idiota jamais proferido por uma autoridade.
O presidente tornou-se literalmente o cocô do cavalo do bandido.
Ao ser evitado por qualquer autoridade que tenha auto estima política e pessoal, em todo o planeta, Bolsonaro não conseguiu chegar nem perto do Papa Francisco.
Se conseguisse, que bobagem poderia dizer? Quer pergunta non sense poderia fazer?
Indagaria pelos Bórgias, os bolsonaros dos anos 1.500, a família mais devassa do cristianismo? ou onde fica o banheiro?
Para não dar mais vexame em público, preferiu não aparecer na Conferência do Clima, na Escócia, que define as metas ambientais para o nosso planeta. Contribuiu com a sua ausência, reduzindo a poluição visual.
Além dos líquidos e sólidos, o país assusta o mundo com a grande emissão de gás metano. Ele é produzido em grande parte pelo gado ruminante, que ocupou as matas da Amazônia. Ou seja, destruiu o verde e, ainda, com sua flatulência gigantesca e descontrolada prejudica a camada de ozônio.

Há 20 anos, o escritor Rubens Fonseca lançou um livro de crônicas chamado Secreções, Excreções e Desatinos.
Poderia ser o slogan do atual governo.

Nós todos que surgimos ali na “inter urinas et faeces”, merecemos isto?
Quem sabe…

 

Texto publicado no Facebook

 

Luiz Lanzetta é jornalista

 

Luiz Lanzetta

Compartilhar:

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Email

Matérias Relacionadas

Rolar para cima