Construir Resistência
Foto: arquivo pessoal

O que eu torço para que aconteça quando eu vejo pessoas aglomeradas e sem máscara?

Por Amanda Moreira

Seleção natural?

Não…

Falando sério:

No Brasil a média móvel de mortes por #Covid-19 ainda está em torno de 400 por da, a de novos casos por volta de 12 mil e apenas 53% da população brasileira recebeu as duas doses ou a dose única da vacina. A realidade é essa.

A situação ainda não está confortável. A #pandemia não acabou. A banalização é que aumentou assustadoramente.

O #RiodeJaneiro flexibilizou o uso de máscaras. Tudo lá fora já voltou ao normal, sem normalidade.

Boas notícias devem ser comemoradas, claro! Quanto à vacinação, a transmissão do vírus diminuiu, sim, mas estamos longe de dizer que a pandemia chegou ao fim.

O Brasil levou nove meses para vacinar 50% da população. O nosso país teve mais mortes por Covid-19 em 2021 do que todos os países do globo. Ainda morrem muitas pessoas por dia e estamos longe de termos superado essa tragédia.

No Brasil, infelizmente, o que tem ditado as regras é o calendário eleitoral, a disputa pelo poder. É isso que atualmente determina que não se fale mais em pandemia, porque na realidade ainda temos um grande problema para resolver.

Em relação à população, entendo que todos estão cansados, que mesmo com olhos míopes tentem ver a luz no fim do túnel. Mas eu não compactuo com irresponsabilidade e não tenho problema nenhum em continuar falando sobre isso. Seguirei na guerra contra as atitudes que não promovem o bem coletivo.

Não podemos esquecer os cuidados para conter a propagação do vírus. Máscara, álcool em gel e distanciamento continuam fundamentais. Além da vacinação, claro!

No mais, já que a empatia é uma ficção, aos que insistem em aglomerar, não usar máscara ou não se vacinar, eu só desejo que o darwinismo faça o seu trabalho mesmo.

Pronto, falei.

#APandemiaAindaNãoAcabou

#UseMáscara

#MantenhaODistanciamento

#VacinaParaTodos

#RespeiteAVida

#VaiPassar

Amanda Moreira é doutora em educação pela UFRJ e professora da UERJ.

Compartilhar:

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Email

Matérias Relacionadas

Rolar para cima