Construir Resistência
o-mito-da-terceira-via

O mito da terceira via

A última pesquisa Genial/Quaest mostrou Moro e Ciro, praticamente empatados em dois cenários, mas muito atrás de Bolsonaro, o segundo colocado. Parece que não decolarão mesmo.

Por Fernando Castilho

Compartilhado do Blog Análise e Opinião

Já muito se escreveu e se falou sobre a tal terceira via para as eleições presidenciais de 2022, mas gostaria de dar minha contribuição para esse debate.

Em primeiro lugar, sou taxativo: não existe a terceira via!

Por quê?

Vamos raciocinar. O termo surgiu porque nossa elite ficou desesperada por ter de escolher entre Bolsonaro e Lula. Acreditam que um está numa ponta e outro na outra. A isso a mídia deu o nome de polarização.

Mas será que ela existe de fato?

É certo e tranquilo que o capitão está realmente na ponta chamada de extrema-direita. Mas é um grande equívoco dizer que Lula está na outra ponta, ou seja, na extrema-esquerda.

Lula já governou o país por duas vezes e sua sucessora, Dilma Rousseff, por um mandato completo e outro interrompido pela metade devido ao golpe que sofreu. Em nenhum momento o ex-presidente assumiu posições que nos levaram ao socialismo e, muito menos, ao comunismo. Pelo contrário, enquanto, com seus programas sociais, tirava 35 milhões de pessoas da linha da miséria, conferia bem-estar à classe média e possibilidades de lucro à elite econômica do país. Ninguém saiu perdendo com Lula.

Então, o ex-presidente se situa no ponteiro da centro-esquerda.

Para reafirmar essa posição junto ao mercado, leva junto a tiracolo, o ex-governador e ex-tucano, Geraldo Alckmin, como seu vice.

Para se estabelecer a terceira via, ou seja, um meio-termo entre Bolsonaro e Lula, seria preciso um candidato não de centro, mas de direita!

Vamos analisar quais seriam os pretendentes a essa vaga.

Sergio Moro já demonstrou, por suas posições, principalmente em relação à segurança pública, como a excludente de ilicitude, entre outras posturas próximas ao fascismo, que se situa no mesmo lugar onde o ponteiro do espectro político aponta para Bolsonaro. Ele é um Bolsonaro com um pouco mais de verniz, embora fale também muita besteira. Além disso, já foi ministro do capitão por ter ideias parecidas.

Ciro Gomes se situa no mesmo lugar de Lula, a centro-esquerda, embora pessoalmente fale mais como direita. Poderia muito bem ser vice dele, mas a vaidade o impede.

Sobrou quem? João Doria? Este, durante a campanha de 2018 adotou o codinome de Bolsodoria, justamente por se confundir com o capitão.

Então fica demonstrado que não há terceira via.

A última pesquisa Genial/Quaest mostrou Moro e Ciro, praticamente empatados em dois cenários, mas muito atrás de Bolsonaro, o segundo colocado. Parece que não decolarão mesmo.

Se não decolarem, há possibilidade de desistência antes do primeiro turno?

Não há dúvida, pela personalidade, que Ciro não desiste de jeito nenhum, mas, na hipótese improvável de sua desistência, creio que, dos 7% que ostenta hoje, uns 5% poderiam ir para Lula, que ficaria com confortáveis 49%, podendo vencer já no primeiro turno.

Deputados do Podemos, partido de Moro, já deram um prazo para ele esboçar reação. Caso desista, poderá tentar uma vaga no Senado. Mas seus eleitores, para onde irão?

Essa é uma pergunta dificílima de responder, pois eles odeiam tanto Lula quanto Bolsonaro. Possivelmente, votariam em branco ou anulariam o voto, favorecendo Lula para vencer no primeiro turno devido à contagem dos votos válidos.

Agora que já se percebe que a terceira via não vai mesmo emplacar, aqueles que lançaram essa hipótese vão ter que se decidir por Lula ou por Bolsonaro.

Já há pelo menos um mês, o capitão se mantém mais quieto para evitar falar bobagens e a mídia parou de atacá-lo.

Isso sinaliza que a opção de nossa elite já é por Bolsonaro, embora haja dúvidas porque o capitão não conseguiu implementar a política neoliberal de Paulo Guedes na sua totalidade.

E é preciso por nesse tabuleiro a memória que ela tem dos tempos em que ganhava muito dinheiro durante os governos Lula.

Enquanto outubro não chega, vamos acompanhando o andar da carruagem, analisando os fatos novos que vão surgindo.

 

Fernando Castilho é arquiteto, professor e escritor. Criador do Blog Análise e Opinião.

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade do autor.

Compartilhar:

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Email

Matérias Relacionadas

Rolar para cima