Construir Resistência
Matraga

O Eterno Matraga

Por Arthur Bandeira 

Dia 23 de maio de 23, vai ser exibido no cine Bijou da Praça Roosevelt em São Paulo, um clássico do cinema brasileiro, A Hora e a Vez de Augusto Matraga, mas não vá ! Não vá porque a sala é pequena, com menos de 100 lugares e ainda por cima o compositor da trilha musical, Geraldo Vandré, vai comparecer para um debate com o público, ele aos 90 anos de idade.

No terreiro lá de casa
Não se varre com vassoura
Varre com ponta de sabre
E bala de metralhadora

Essa quadra faz parte da trilha musical do filme realizado em 1965 por Roberto Santos e produzido por Luiz Carlos Barreto. Baseado no pequeno conto de João Guimarães Rosa, o filme gerou muitas paixões e carrega uma maldição. Ouvi dizer que Guimarães Rosa o assistiu e ficou encantado com a produção, mas logo depois morreu e, por ironia das veredas, nunca assinou uma autorização da obra para o filme e a família nunca autorizou sua exibição comercial.
Mesmo assim, o filme tem uma legião de fãs que o colocam entre os melhores filmes já produzidos no Brasil.
Trabalhei com um diretor do Globo Repórter que de tão apaixonado pelo filme e pelo personagem, trocou definitivamente o sobrenome de Marcos Marcondes para Marcos Matraga.
Interpretado por dois gigantes do cinema brasileiro, Leonardo Vilar que faz o papel de Augusto Matraga e Jofre Soares que faz Joãozinho Bem Bem, o filme narra a história de um famoso valentão que traído, recebe uma surra que quase o leva a morte. Mas foi encontrado e salvo por um casal de pretos que cuidam dele até se recuperar.

A personagem sofre uma grande metamorfose, transformando-se num ser místico que prega a retidão de caráter e conversa com Deus, até o dia em que ele encontra com o pistoleiro Joãozinho Bem Bem. Basicamente essa é a trama do conto e do filme.
O filme consegue trazer para tela com as paisagens do sertão mineiro (coisa pouco conhecida na época) a música de Geraldo Vandré em toadas como a de Sergio Ricardo em Deus e o Diablo na Terra do Sol, apenas voz e violão uma síntese deste país violento e sem lei.
A palavra Matraga associa-se a um vaso utilizado para operações alquímicas que envolvem transformações e isso acontece com as personagens e com o espectador. Portanto, não vá assistir essa sessão por problemas de espaço no cine Bijou, mas crie um espaço para assistir essa obra prima.

Arthur Bandeira é produtor e diretor de áudio visual. Fundador da TVassim e colaborador do Construir Resistência

Compartilhar:

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Email

Matérias Relacionadas

Rolar para cima