Construir Resistência
Pinguelli

O dia em que entrevistei Luiz Pinguelli Rosa

Por Walter Falceta Jr.

Nos anos 1990, entrevistei Luiz Pinguelli Rosa, um dos mais brilhantes intelectuais brasileiros de todos os tempos.

O tema inicial da conversa não tinha relação com política. Eu produzia uma matéria sobre Teoria do Caos e Ciências Não Lineares. Então, era um tema mix de ciência física com filosofia.

Primeiramente, o que me impressionou foi a sensatez do Luiz, um polímata, capaz de raciocinar de forma transdisciplinar, misturando todas as áreas possíveis do conhecimento.

Conversamos um tempão e, de repente, a Teoria da Relatividade já encaminhava a troca de ideias para o campo da universalização de direitos e sobre as (então, propostas) quotas nos institutos de formação superior.

O professor contou ter iniciado a vida na caserna, ainda jovem na Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN). Se não me engano, saiu de lá como oficial das FFAA. Depois, foi para o Instituto Militar de Engenharia.

Então, conhecia os intestinos do poder, desde a época da Ditadura Militar. Tinha essa capacidade de unir pontas. Teve um livro que, de novo, se não me engano, versava sobre tecnociência e humanidades.

Era um físico com romântico afeto pela metafísica. Depois, tornou-se uma figura conhecida no campo das mudanças climáticas, que enxergava de maneira formidavelmente estrutural.

Teve cargos nos governos petistas, mantendo sempre a independência crítica, com moderação e sensibilidade.

Lembro de que falamos sobre fractais. E ele me pareceu um menino, feliz da descoberta de um lúdico desenho. Um desenho sem fim. Acho que hoje, depois do último suspiro aqui, ele viajou para lá.

Walter-falceta
Falceta, à direita
Walter Falceta é jornalista e um dos fundadores do Coletivo Democracia Corintiana (CDC)

Compartilhar:

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Email

Matérias Relacionadas

Rolar para cima