Jornalista vence processo contra Bolsonaro por insinuação sexual

Da redação

Miliciano ofendeu a jornalista insinuando troca de informações por favores sexuais

 

O Tribunal de Justiça de São Paulo decidiu, por 4×1, que não é possível aceitar que um presidente da República se utilize de insinuação sexual para ofender uma jornalista, no caso a Patrícia Campos Mello, da Folha de S. Paulo. O que está por trás dessa decisão é, acima de tudo, um basta à banalização da ofensa sexual, do assédio, da misoginia, que catalisa e estimula toda sorte de crimes contra as mulheres.

Entenda o caso

Bolsonaro foi condenado a pagar à jornalista uma indenização de R$ 20 mil por danos morais. A decisão, em primeiro grau, foi proferida no dia 26/3. O governo recorreu e a sentença foi ratificada hoje pelo Tribunal de Justiça de São Paulo, por 4 votos contra 1. O valor da indenização foi atualizada para r$ 35 mil.

O processo foi motivado pela insinuação sexual imputada a Patrícia Campos Mello pelo miliciano. Na ocasião, Bolsonaro afirmou que a jornalista assediou o ex-funcionário da Yacows – empresa de disparos em massa no WhatsApp investigada na CPMI das Fake News – Hans River.

Hans disse, diante de deputados e senadores, que Patrícia, supostamente, queria “um determinado tipo de matéria a troco de sexo”.

“No depoimento do Hans River, no final de 2018 para o Ministério Público, ele diz do assédio da jornalista em cima dele. Ela queria um furo, ela queria dar um furo a qualquer preço contra mim”, disse Bolsonaro, aos risos, pouco antes do início da cerimônia de hasteamento da bandeira, no Palácio da Alvorada, em fevereiro.

 

Veja também

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.