Jô Soares, um gordo de alma leve

Compartilhado do Quarentena News

Por Jorge Antônio Barros

Tudo indica que Jô Soares (1938+2022), um dos maiores showmen, e um dos humoristas que mais fez rir o povo brasileiro, tenha morrido de tristeza. Ainda que tivesse construído uma bela carreira como apresentador de TV, ator, diretor de teatro, escritor e comediante, Jô foi praticamente obrigado a se afastar do trabalho por motivos de saúde, enfrentar o isolamento por causa da Pandemia e viver a tragédia de ter um país destruído pelo pior governo da história do Brasil.

Jô morreu aos 84 anos, mas numa época em que a longevidade tem sido maior, com certeza poderia ter vivido muito mais. Com seu jeito reservado, apesar de contraditoriamente ser um dos gordos mais exibidos, Jô Soares sofreu como todos nós brasileiros que amamos a liberdade. A leitura de sua biografia de dois volumes é indispensável para compreender uma parte da história da televisão brasileiro.

Tive o privilégio de entrevistar Jô Soares pelo jornal O Dia, em 1988, quando tanto ele quanto eu mudamos para São Paulo pra iniciar uma nova fase profissional. Eu, chefe da sucursal do Dia, que implantei. Ele com sua estreia como entrevistador no Jô Onze e Meia, do SBT, onde ficou até 1999. De volta, no Programa do Jô ficou de 2000 a 2016. Um total de 27 anos a frente de seu talk-show.

Jô era um gordo de alma leve. Sua inteligência criou uma galeria de personagens que fizeram rir várias gerações. Alguns dos melhores foram o Reizinho, em que ele atuava de joelhos, para interpretar um monarca absolutista; Sebá, o exilado na França; o Zé da Galera, que gozava com a seleção brasileira; e o imbatível Capitão Gay (foto) e seu assistente, Carlos Suely (Eliezer Motta); e Bô Francineide, a atriz pornô, com o bordão “em pensar que sai de dentro dela”, se dirigindo à pequenina Henriqueta Brieba, a “pornô mãe”.

Jô terminava seu programa de entrevistas com o bordão “um beijo do gordo”, pois, como poucos, sabia rir dele mesmo. Jô, descanse em paz. Um beijo do povo brasileiro.

 

Jorge Antônio Barros é jornalista e editor-chefe do blog QUARENTENA NEWS.

Veja também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.