Construir Resistência
gleisi-mourão-2048x1024

Gleisi coloca o general Mourão em seu devido lugar: “onde estava ele durante a farra do orçamento secreto?”

Por Simão Zygband

A presidenta nacional do PT, a deputada federal reeleita Gleisi Hoffmann, que participa da equipe de transição, deu um chega para lá e colocou sem seu devido lugar o vice-presidente da República, o derrotado Hamilton Mourão que criticou a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da Transição, planejada pela equipe de transição do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Segundo o general, o plano econômico de Lula visa fazer “um estupro no Orçamento de R$ 200 bilhões”.

“A Declaração de Mourão é no mínimo desonesta. Nem bem acabamos de iniciar a transição e estamos negociando a pauta que interessa ao povo trabalhador”, postou a presidenta petista. “Onde ele estava durante a farra do orçamento secreto e uso perdulário e ilegal da máquina pública nas eleições?”, questionou Gleisi Hoffmann.

Com sintomas de que também não assimilou bem a derrota, que colocará fim à mamata dos militares que existe no governo do genocida, Mourão demonstra o despeito que os bolsonaristas têm com a vitória incontestável do ex e agora futuro presidente. “Agora, ele (Lula) tem um pepinaço para descascar, não é? Governar o Brasil não é uma coisa simples. Já estou vendo aí que estão fazendo um movimento no Congresso para fazer um estupro no Orçamento de R$ 200 bilhões. É um problemão que ele tem pela frente”, declarou o boquirroto militar, em entrevista à Rádio Gaúcha.

A equipe de transição de governo, coordenada pelo vice-presidente eleito Geraldo Alckmin (PSB), e o relator-geral do Orçamento, senador Marcelo Castro (MDB-PI), anunciaram, ontem, que vão preparar uma PEC para excluir do teto de gastos demandas estratégicas do Orçamento, como o Auxílio Brasil, reajuste do salário mínimo acima da inflação e despesas com saúde.

Ainda não está definido o valor total de gastos extras, mas apenas para garantir o Auxílio Brasil de R$ 600 serão necessários R$ 70 bilhões a mais do que já está definido na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), enviada ao Congresso pelo governo de Jair Bolsonaro (PL). O atual presidente, porém, prometeu a manutenção do benefício durante toda a campanha eleitoral.

Mourão fez crítica na mesma linha em postagem no Twitter. “O futuro governo do Lula está negociando com o Congresso um rombo de 200 bilhões no orçamento de 2023, ou seja, zero compromisso com o equilíbrio fiscal”, escreveu. “O resultado será aumento da dívida, inflação e desvalorização do real. Onde estão os críticos???”

O Brasil disse não nas urnas à Bolsonaro, Mourão e toda esta escumalha.

Compartilhar:

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Email

Matérias Relacionadas

Rolar para cima