E o rico cada vez fica mais rico…

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram

Por Adriana do Amaral

A #pandemia aumentou a base da pirâmide social

O Brasil está dividido entre 70% de opositores ao atual governo e 30% de apoiadores, mais ou menos. Dentre os segundos, muitos empresários que fazem parte dos “novos ricos”.  Inclusive brasileiros antes desconhecidos e que se tornaram celebridades ao surfar do lado direito da onda do poder vigente. Pessoas que mostram-se cada vez mais excludentes.

Ao longo do ano e meio pandêmico, muito se polemizou sobre a responsabilidade dos mais abastados e a culpabilidade dos sem nada. No final de semana, o dono da rede lojas de roupas e acessórios Riachuelo, Flavio Rocha, mais uma vez resumiu o pensamento dos apoiadores do presidente da República do Brasil e boa parte da elite nacional.

Do que tem medo a “celebridade”? Não é de ficar pobre, mas de ficar menos rico!

Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, o xará do filho do presidente culpou a sonegação de impostos pela concentração de renda ao afirmar que a proposta de lei de taxação das grandes fortunas empobrece os ricos. Segundo ele, mexer com os afortunados seria um erro. A solução? Imposto de Renda no povo.

Ele afirmou ser um equivoco “enriquecer o pobre”, “expulsando ou empobrecendo os ricos”. Justificando, citou o exemplo da França, por ele considerado “desastroso” ao gerar a “mobilidade das fortunas”. Sugeriu que a mobilidade digital permitiria a evasão dos milionários brasileiros, que iriam enriquecer noutros países, trabalhando e investindo à distância.

A exclusão é um negócio

Os pensadores Jung Mo Sung, coreano naturalizado brasileiro, e Walter Benjamin, alemão falecido em 1940, relataram com maestria científica como o capitalismo aumentou a distância entre os pobres e os ricos. O primeiro traz o debate para a atualidade, desvelando o que há por trás do neoliberalismo em seus livros enquanto o segundo garante a reflexão histórica. A #pandemia da #Covid-19 apenas pôs lenha na fogueira da exclusão social.

Pesquisa elaborada pela #Oxfam e divulgada durante reunião do #FòrumEdonômicoMundial no início desse ano, provou que o ricos não têm muito a temer. Resumidamente, bastaram nove meses para que as fortunas fossem recuperadas no pós-pandemia. Enquanto isso, o mundo empobreceu a olhos vistos.

O relatório O Vírus da Desigualdade, demonstrou que as mil pessoas mais ricas recuperaram as perdas consequentes à disseminação da #Covid-19 em apenas nove meses. Os mais pobres levarão pelo menos 14 vezes mais para se equilibrarem financeiramente. Ou seja, a #pandemia gerou possibilidades para os mesmos de sempre.

De acordo com a #ONU, 780 milhões de pessoas vivem abaixo do Limiar Internacional da Pobreza. No Brasil, o #IBGE demonstrou o aumento dos brasileiros que vivem com quase nada e a Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional denunciou que 19 milhões de pessoas passam fome no nosso país abençoado por Deus e bonito por natureza.

Enquanto os super ricos se privilegiam do empobrecimento da população mundial, eles nada fazem para amenizar a dor dos que empobreceram. Falta vacina, falta insumos, tratamento, emprego, comida. Sem trabalho não há renda e o cenário, de acordo com a #OIT é desalentador e de acordo com a #Oxfam é catastrófico.

Apesar dos dados concretos, não vemos nenhum sinal, internacionalmente falando, para minimizar os índices da pobreza e a miserabilidade seja revertida. No Brasil, apesar de o Projeto de Lei da Renda Mínima tenha sido aprovado, não há sinais de que ele será colocado em prática a curto prazo.

Vivemos no Brasil uma crise ética sem proporções.

Nosso povo está sonhando com sopa de ossos e só encontra pedras no caminho…

 

Veja também

2 respostas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *