Construir Resistência
Jose Dirceu Encontro Pt 600x400

Dirceu critica falta de mobilização do PT e do governo Lula

Da Redação com informações do portal Metrópoles 

‘Não estou pessimista, estou realista’, advertiu o ex-presidente do PT e ex-ministro da Casa Civil do primeiro governo Lula

Jose Dirceu Encontro Pt 600x400

Ex-presidente do PT e ex-ministro da Casa Civil no primeiro mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), José Dirceu vê problemas no partido e no governo federal, apontou falta de mobilização e avaliou que poderá ocorrer um “tranco” da direita, caso não haja uma reação.

Conforme Guilherme Amado, no portal Metrópoles, Dirceu expressou tais preocupações durante um encontro da corrente Avante PT, ala mais à esquerda da legenda, ocorrido em São Paulo, na noite desta sexta-feira (24).

“Hoje o PT é o partido de maior apoio popular, de melhor imagem, mas o partido não é nem 10% do que devia ser. Nós temos um problema sério, no PT e na esquerda”, disse ele. “Nosso governo tem problemas de governabilidade, organização, de avaliação de cada ministério”, avaliou.

Durante seu discurso, ele também apontou a falta de mobilização da sigla para confrontar a política de juros do Banco Central e lutar pelas pautas ambientais. Além disso, ele criticou o adiamento da eleição da presidência nacional do partido de 2023 para 2025, classificou como “um fracasso” as tradicionais manifestações de Primeiro de Maio e ainda lembrou do bom desempenho da direita nas eleições dos conselhos tutelares.

“Não sei qual é o problema. Tem medo da militância? Do debate? Da discussão? Da mobilização da militância?”, questionou. “Onde se discute isso? Ou não é para discutir e fazer de conta que está tudo bem? Ou não se pode discutir mais? Às vezes fico com a sensação de que você começa a discutir um pouco e fica inconveniente, indesejável”, completou.

Para o ex-ministro, a falta de mobilização e dos debates, somados ao emparedamento de Lula com relação ao presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), podem abrir oportunidades para a direita.

“Eu sou da opinião de que nós precisamos nos debruçar sobre o problema do partido. Não vamos tapar o sol com a peneira. Nós não aguentamos o tranco da direita como nós estamos. E a direita vai nos dar um tranco. Há esse ambiente agora político, negociação com Arthur Lira, mas essa não é a realidade. Se nós formos derrotados em 2024, eles vão tomar mais um naco do governo”, avaliou.

Diante deste cenário, ele defendeu que o PT passe a adotar uma perspectiva de médio prazo, para 12 anos, já que vê pouca possibilidade de uma mudança de correlação de forças em Brasília nos quatro anos do mandato de Lula.

“Temos que mudar a correlação de forças e mudar nosso partido. A não ser que a gente queira governar que está bom como estamos governando. Sabemos que não está. Isso não quer dizer que nosso governo não produziu grandes avanços e foi uma vitória extraordinária derrotar o bolsonarismo”, disse ele. “Não estou pessimista, estou realista”, pontuou.

Lindbergh rebate Dirceu e diz que Zeca Dirceu interditou debate

Images

As críticas do ex-ministro e ex-presidente do PT José Dirceu ao partido e ao governo não agradaram à cúpula atual do partido e outros dirigentes. O deputado federal Lindbergh Farias afirmou que discorda de que haja dificuldade de debate interno na sigla, mas sim entre “setores do governo” e o PT.

“As interdições de debate não são do partido, mas sim em setores do governo, que parecem ter dificuldade de aceitar opiniões divergentes do PT. Preferem ouvir até opiniões divergentes do Centrão, em vez das nossas”, afirmou Lindbergh.

O deputado também criticou a forma como se dá o debate da pauta econômica na bancada do PT na Câmara, liderada pelo filho de Dirceu, o deputado Zeca Dirceu, do Paraná.

“Houve dificuldade de debate na bancada da Câmara, em que o líder é Zeca Dirceu. Não conseguimos debater política econômica, arcabouço fiscal, déficit zero”, enumerou.

Compartilhar:

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Email

Matérias Relacionadas

Rolar para cima