Construir Resistência
Screenshot 20231013 155554~2

Darío Teitelbaum: “estamos transitando entre a matança e a tragédia”

Por Axel Schwarzfeld – Página 12

Screenshot 20231013 155554~2

O testemunho de um argentino-israelense que mora a sete quilômetros da Faixa de Gaza. O educador e presidente da União Mundial Meretz analisa a situação vivida pelos cidadãos de Israel, bem como as medidas do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu.

Darío Teitelbaum é um argentino-israelense que vive em um kibutz localizado a sete quilômetros da Faixa de Gaza. Ele teve que abandonar a área após a escalada de violência ocorrida no sábado devido ao ataque surpresa do grupo Hamas contra Israel e à resposta militar ordenada pelo governo de Benjamin Netanyahu, que declarou “estado de guerra”.

“As pessoas estão muito tristes e assustadas. Junto com isso, existem altos níveis de solidariedade: organizações que prestam serviços, que recolhem coisas, convidam pessoas como eu para suas casas e cozinham para os soldados”, expressou Teitelbaum em entrevista para a Página 12.

Além de educador, é presidente da União Mundial Meretz, que coordena a ação política daquele partido de esquerda fora do país. Desse ângulo, ele conta como os israelenses vivem estes dias de tensão e reflete sobre as ações do primeiro-ministro diante deste problema.

Como está a situação em Israel neste momento?

Estamos caminhando entre o massacre e a tragédia, e tomando consciência da magnitude dos acontecimentos. Tudo isso depois do massacre e também agora sob ataque. Quer dizer, há ataques constantes do Hamas e houve um ataque do Hezbollah, do norte, do Líbano. Então tudo isso é uma espécie de panela de pressão, em que todos lamentamos os nossos mortos, que ainda não foram enterrados. Estamos horrorizados com o nível de violência perpetrado pelo Hamas. Apesar disso, há uma onda de solidariedade muito grande em Israel, muito típica, na verdade, que está a reunir as suas forças porque, antes de mais nada, está no meio de uma guerra.

Em segundo lugar, tem várias missões que têm a ver com o que aconteceu no último sábado e domingo. E terceiro, porque isto irá abrir um processo de reconstrução mais tarde, não agora, que irá incluir, na minha opinião, mudanças políticas muito sérias, especialmente daqueles que são responsáveis, não os culpados porque os culpados são apenas o Hamas, mas responsáveis por este colapso da doutrina de segurança de Israel, o que é nada menos que uma surpresa. Eles nos pegaram com as calças abaixadas.

Screenshot 20231013 155608~2

Como explicar que um país com um dos melhores serviços de inteligência do mundo tenha sido surpreendido?

É óbvio que isso poderia ter sido evitado. Israel estava, talvez ainda, imbuído de uma concepção. E uma das coisas que uma concepção faz com você é que você é como um cavalo vendado. Isto aconteceu conosco em 73, na Guerra do Yom Kippur, onde o colapso e a surpresa foram semelhantes, embora com uma diferença: naquela oportunidade, havia soldados na linha da frente. Agora temos bebês. A operação foi mais um colapso, ou seja, o tempo que o exército levou para reagir, mandar tropas, helicópteros, impedir a entrada de mais gente, porque quem invadiu estava com carros, com helicóptero no ar. Você vai e termina isso em alguns minutos. Então é outra concepção que ruiu. E a terceira concepção é política. Isto significa, por um lado, enfraquecer a Autoridade Nacional Palestina e, por outro, fortalecer o Hamas. Permitindo autorizações de trabalho para 22.000 pessoas que entravam diariamente em Israel, sou a favor disso, mas vou entrar em detalhes, e tendo permitido até agora todas essas pequenas escaladas que foram disparar 100 mísseis, voltamos, destruímos um pouco, alguém envolveu-se para mediar e não se conseguiu a paz, mas conseguiu-se um cessar-fogo até que se passaram 3 ou 4 meses e o ciclo se repetiu.

Este sistema permitiu ao Hamas, em primeiro lugar, sobreviver como organização e, em segundo lugar, aparentemente, levar todo o tempo necessário para fazer os planos que executou a partir de sábado, que eram muito complexos, no sentido de observação, inteligência, conhecimento, horários. … significa que estamos diante de algo muito programado, não foi espontâneo. Agora, a responsabilidade é política. E repito: não estou falando de culpa, a única culpa é do Hamas. Mas a responsabilidade política é outra coisa. Depois que a guerra terminar e houver eleições, imagino que as urnas também farão justiça a nível político.

Qual é a sua posição sobre o conflito geral entre Palestina e Israel?

Há 45 anos luto pela paz. Sou pró-Palestina no sentido do direito do povo palestino à autodeterminação. Minha corrente é a corrente socialista sionista. São minhas raízes. Se me perguntarem se as minhas convicções estavam intactas depois das 18h30 do sábado passado, não sei responder, mas tenho a sensação de que estamos num antes e depois. O que não tenho a menor dúvida é que a possibilidade de paz no Médio Oriente com base em dois Estados para dois povos será adiada por muito mais tempo porque o que foi feito é imperdoável.

Israel tem todo o direito do mundo de fazer justiça aos autores intelectuais e materiais deste massacre. Além disso, há dois milhões de palestinos na Faixa de Gaza. Não são dois milhões de terroristas. Entre eles estão 15 ou 20 mil terroristas que cometeram esta brutalidade. Parece-me que Israel tem o compromisso moral de tentar evitar, tanto quanto possível, a queda daqueles que não estão envolvidos.

O Meretz como partido político tem algum tipo de ligação com a formação de um governo de unidade proposto por Netanyahu face à situação de emergência?

De maneira nenhuma. Pode ser que as pessoas que entraram, os dois ex-comandantes em chefe do exército, (Benny) Gantz e (Gadi) Eizenkot, gerem um pouco mais de credibilidade, não de Netanyahu, porque ele tem credibilidade zero, mas de todo esse corpo isso é direcionado agora.

Fazem parte do gabinete de guerra e não de uma coligação governamental. O Meretz opõe-se fortemente a governos deste tipo. A única coisa a ter cuidado é que este tipo de governo não salva as batatas de Netanyahu. Sim, apoie, sim, ajude, porque é necessária liderança, mas não salve as batatas de Netanyahu.

A guerra esqueceu as reivindicações relativas à reforma judicial no país?

Não, em absoluto. Acredito que vai se abrir outra ala do protesto, que vem daqueles que se sentem abandonados pelo governo israelense. Isto é, embora haja mais uma vez algum tipo de espírito de unidade necessário, os jovens vão perder a vida lutando dentro de Gaza.

Não sabemos o que vai acontecer, a guerra vai continuar por muito tempo, não é algo que vai acabar em dois dias. Israel fará da tentativa de salvar os reféns uma prioridade central. Haverá uma grande pressão para libertar todos ou ninguém.

Nota do editor: o material ora publicado não representa,necessariamente, a opinião do Construir Resistência

 

 

Compartilhar:

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Email

Matérias Relacionadas

Rolar para cima