Construir Resistência
da-festa-dos-guardanapos

Da festa dos guardanapos ao aniversário em Itaipava

Marcos Silva

Um comentário, nada feliz, do Otávio Guedes, nesta terça feira (30), no jornal matutino da Globo, me fez refletir sobre o pensamento político brasileiro. O comentarista comparou (mesmo dizendo que iria comparar alhos com bugalhos) a farra dos guardanapos do Cabral com a festa do Cláudio Castro.

 

Convenhamos que foi uma análise que beirou o ridículo. Entretanto, algo que poderia ser analisado, Guedes não o fez: o escárnio e a desfaçatez dos nossos governantes (festeiros e não festeiros). Nossos políticos mantêm a mesma cara de pau ao cometerem milhões de safadezas e continuam (com desculpas esfarrapadas) na mesma toada, pois nutrem a certeza de que nada disso fará diferença.

 

Não é o caso de culpabilizar a população, dizendo que não sabem votar, pois, isso ocorre em escala global (EUA, Itália, Holanda pra falar em poucos casos) e nos levaria a concluir que o mundo não sabe escolher seus governantes. Não é disso que se trata, o fato é que na política (e aqui pode ser até um pouco pior, claro) o esquecimento é previsível, pois o descaso com a política no mundo todo está cada vez mais crescente e os políticos de ocasião/situação/de plantão vivem esta farra com guardanapos em Paris ou em Itaipava. O que nos aguarda?

 

Marcos Silva é professor da UFRJ

 

Compartilhar:

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Email

Matérias Relacionadas

Rolar para cima