Construir Resistência

Ciência no Front

Lula E Eduardo Leite 960x540

A manobra de Eduardo Leite para ‘dividir a responsabilidade’ na tragédia que assola o RS

Por Pedro Barciela – ICL Notícias O comportamento impetuoso contra o presidente da república cumpriu um objetivo: dividir com Lula a responsabilidade. Eduardo Leite deu indícios de que utilizaria as redes sociais para, ao menos publicamente, explorar politicamente a tragédia que assola o Rio Grande do Sul. Com uma espécie de ofensiva contra o presidente Lula, Leite buscou não apenas transmitir um comportamento impetuoso, como também – e principalmente – uma postura combativa com relação ao presidente Lula. No entanto, a postura não foi bem recebida nas redes sociais. Para além das críticas que condenaram o tom adotado pelo governador com relação ao presidente da república, em um momento em que não havia qualquer indício de inércia do poder federal, a ação de Leite cumpriu um outro papel: colocar Lula em evidência neste episódio. Com isso, Eduardo Leite – que até então era o alvo central das críticas pela condução do RS em meio à tragédia – passou a dividir com o presidente Lula a atenção não apenas da imprensa, mas também de bolsonaristas nas redes sociais. Aqui, se Eduardo Leite recebeu mais menções neste tema do que Lula até o dia 01/05, no dia 02/05 Lula recebeu 1.8x mais menções do que o governador no mesmo tema. No contexto das chuvas no RS, Lula passou a ser mais citado do que o próprio governador Eduardo Leite Entre os tweets citando o governador, 89% não apresentavam nenhum sinal de apoio e/ou elogio à condução da situação de calamidade que assola o Rio Grande do Sul. Lula, por sua vez, registrou um cenário mais equilibrado: 65% das publicações enalteciam a atuação do presidente e/ou faziam ponderações positivas com relação a sua atuação neste episódio. Assim, Eduardo Leite até tentou mas não conseguiu dragar Lula para o cenário extremamente crítico que o governador enfrenta nas redes sociais. Sem apoio bolsonarista, com críticas oriundas do antibolsonarismo e ressalvas a postura impositiva adotada inicialmente nas redes, resta ao governador algo que pareceria óbvio desde o início: fazer seu trabalho fora das redes sociais.   Pedro Barciela Autor no blog Essa Tal Rede Social, estuda e atua na área de monitoramento e análise de redes sociais com foco em política e campanhas eleitorais.

Leia mais »
Meu Primeiro Voto 2 1

1º voto: PT convida juventude de 16 anos a participar das eleições 2024

Do site do PT Jovens entre 16 e 18 anos podem retirar o primeiro título de eleitor até o dia 8 de maio. Eles poderão votar para prefeito, vice-prefeito e vereador O Partido dos Trabalhadores e das Trabalhadoras (PT), por meio da Secretaria de Comunicação e da Secretaria Nacional da Juventude do PT, iniciou a campanha #MEUPRIMEIROVOTO para estimular os jovens brasileiros que completam 16 anos a exercerem seu direito democrático e participarem das eleições 2024. A secretária Nacional da Juventude do PT, Nádia Garcia, convida os jovens a tirarem seu título e ressalta a importância de fazerem parte da construção do país. “A juventude do PT,  junto com o time de redes do PT Brasil, tem construído há alguns anos a campanha Meu Primeiro Voto. Essa campanha fala sobre a necessidade da gente dialogar com a juventude, falar com esses meninos de 16 a 18 anos sobre a importância de tirar o título para entregar seu primeiro voto num processo democrático”, explica. Nádia Garcia destaca a mobilização e a organização que será realizada no diálogo com a juventude brasileira. “Esse ano, com as eleições municipais, a gente quer muita participação da juventude não só no voto mas também na construção dessas eleições, e tudo começa com a tiragem de títulos. Então, até o dia 8 de maio, a gente vai estar todos os dias nas redes sociais nos mobilizando, nos organizando para poder incentivar e dialogar com essa juventude que precisa tirar o título de eleitor para garantir que nosso processo seja ainda mais democrático com a participação de todas as juventudes”, aponta. Ei galera, jovens! 🌟🚩 Chegou a hoje de construir o Brasil dos seus sonhos, se você tem mais de 16 anos, já pode tirar o título e votar nessas eleições! 🗳️ 📍 Para saber mais, procure o TSE de sua cidade ou acesse: https://t.co/nCvh17Z4aP@jptnacional pic.twitter.com/wgF3njpNPC — PT Brasil (@ptbrasil) April 8, 2024   Primeiro título de eleitor Jovens entre 16 e 18 anos podem retirar o primeiro título de eleitor até o dia 8 de maio. Eles poderão votar para prefeito, vice-prefeito e vereador. O procedimento de alistamento eleitoral pode ser feito pela internet, por meio do sistema de sistema autoatendimento TítuloNet. Ao acessar o sistema, o jovem deve selecionar a opção “não tenho”, na guia “Título de eleitor”, somente se nunca tiver tirado o título. Posteriormente, deverá preencher todos os campos indicados com dados pessoais, como nome completo, e-mail, número da carteira de identidade e local de nascimento. Além dessas informações, é preciso anexar pelo menos quatro fotografias ao requerimento para comprovação da identidade. A primeira delas é uma fotografia (selfie) segurando um documento oficial de identificação. As duas seguintes são da própria documentação utilizada para comprovar a identificação da primeira foto. Na hora da foto, o futuro eleitor não deve usar qualquer adereço, vestimenta ou aparato que impossibilite a completa visão da face, tais como óculos, bonés, gorros, entre outros. Por fim, é necessário juntar um comprovante de residência. E os eleitores homens com idade entre 18 e 45 anos devem enviar ainda o comprovante de quitação com o serviço militar obrigatório.  Todas as imagens devem estar totalmente legíveis. Caso contrário, a solicitação pode ser negada pela Justiça Eleitoral. Após o envio da solicitação, a emissão do documento pode ser acompanhada pela internet. A Justiça eleitoral explica que basta acessar a guia “Acompanhar Requerimento” e informar o número do protocolo gerado na primeira fase do atendimento. Depois, o cidadão deve procurar o cartório eleitoral mais próximo para emitir seu título eleitoral. Após a solicitação pelo Autoatendimento Eleitoral, o futuro eleitor tem até 30 dias para fazer seu cadastramento biométrico no cartório eleitoral mais próximo. Após esse procedimento, a versão digital do título eleitoral pode ser baixada no aplicativo e-Título, disponível para smartphones e tablets. Adolescentes de 15 anos Adolescentes de 15 anos que completam 16 anos até 6 de outubro, a data do primeiro turno das eleições deste ano, já podem solicitar a primeira via do título. Ao completar 18 anos, o alistamento eleitoral é obrigatório e, se não tiver o título ou não comparecer às urnas, o cidadão pode ter problemas para emitir outros documentos, como passaporte, CPF, e até mesmo para se matricular em instituições de ensino. A justiça eleitoral tem um site dedicado ao jovem eleitor para esclarecer dúvidas e incentivar o exercício da cidadania por meio do voto. Da Redação, com informações da Agência Brasil

Leia mais »
7e3481ca 5fed 4dde 81b8 396a1ed516fd

Brasil cria 2,2 milhões de empregos com carteira assinada em 15 meses

Da Secretaria de Comunicação (Secom) Em março, saldo foi de 244 mil postos, o segundo melhor resultado da série histórica desde 2002. País chega a 46 milhões de pessoas atuando em vagas formais, maior número já registrado No primeiro trimestre de 2024, já são quase 720 mil novas vagas formais de trabalho no país. Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil Com um cenário econômico positivo, marcado por juros e inflação controlada, investimentos federais em obras de infraestrutura, setor automobilístico em crescimento, atividade turística em expansão, o Brasil registrou em março de 2024 um novo aumento na criação de empregos com carteira assinada e chegou a um recorde de seu estoque formal de emprego. Estamos felizes com esse panorama que estamos apresentando, colhido nesses três meses de 2024, nos 15 meses de governo e no cenário de futuro. Temos uma janela de oportunidade no processo de reindustrialização do país, com anúncios recordes de investimento como resultado de medidas de política, seja econômica, fiscal, tributária, de relações internacionais, para abrir ao país novos mercados” Luiz Marinho, ministro do Trabalho e Emprego O terceiro mês de 2024 foi marcado pela geração de 244.315 postos formais. Com isso, em 15 meses, de janeiro de 2023 a março de 2024, quase 2,2 milhões de empregos formais foram criados no Brasil, dos quais 1,64 milhão abertos nos últimos 12 meses. Um outro desdobramento é que o país chegou a um total de 46 milhões de pessoas atuando com carteira assinada, o maior estoque de toda a série histórica. Os dados do Novo Caged foram apresentados nesta terça, 30 de abril, pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). » Dados do Caged por estado em março de 2024 “Estamos felizes com esse panorama que estamos apresentando, colhido nesses três meses de 2024, nos 15 meses de governo e no cenário de futuro. Temos uma janela de oportunidade no processo de reindustrialização do país, com anúncios recordes de investimento como resultado de medidas de política, seja econômica, fiscal, tributária, de relações internacionais, para abrir ao país novos mercados”, afirmou o ministro do Trabalho e Emprego, Luiz Marinho. “Há um conjunto de ações planejadas que têm gerado oportunidades, aliado à valorização do salário mínimo, à isenção do Imposto de Renda para até dois salários mínimos. Tudo isso leva ao crescimento”, completou. SÉRIE HISTÓRICA – Os dados de março de 2023 são os segundos melhores da série história do Caged e Novo Caged para o mês, desde 2002. Perde apenas para março de 2010, quando foram criadas 266 mil vagas. Os mais de 244 mil empregos formais registrados em março representam um aumento de 49,1 mil empregos em relação aos números de março de 2023, quando o balanço ficou positivo em 195,1 mil postos. No acumulado dos três primeiros meses de 2024, o Brasil somou 719.033 novos empregos com carteira assinada, 34% a mais em relação ao mesmo período de 2023, quando houve 536 mil novos postos no primeiro trimestre. ESTOQUE RECORDE – O Brasil registrou em março um estoque de trabalho com carteira assinada de 46,23 milhões de pessoas. Trata-se do maior número da história do país. Em março de 2023, o estoque brasileiro era de 44,58 milhões de trabalhadores. GRUPAMENTOS – Quatro dos cinco grandes grupamentos de atividades econômicas registraram saldos positivos em março. O setor que mais gerou empregos foi o de serviços, com 148.722 vagas, seguido do comércio (37.493), da indústria (35.886) e construção (28.666). Somente o setor da agropecuária ficou negativo, com perda de 6.457 postos de trabalho.   Principais dados de emprego com carteira assinada no Brasil em março de 2024 REGIÕES – As cinco regiões do país registraram saldo positivo. A Região Sudeste foi o destaque, tendo criado 148.304 novos postos formais. O Sul aparece na sequência, com 42.240, seguido pelo Centro-Oeste, com 28.047; pelo Nordeste, com 16.037; e pelo Norte, onde foram abertos 9.670 novos empregos com carteira assinada. TRIMESTRE – No acumulado de janeiro a março de 2024, os cinco grandes grupamentos de atividades econômicas registraram saldos positivos. O maior crescimento foi no setor de Serviços, com 419.286 postos formais, um total de 58,3% do saldo. O destaque ficou para as atividades de administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais, com 179.470 vagas e para as atividades de Informação, comunicação e atividades financeiras, imobiliárias, profissionais e administrativas, que criaram 143.050 novos postos. A Indústria apresentou saldo de 155.461 postos, com destaque para a fabricação de veículos automotores (13.605) e de produtos alimentícios (13.540). O setor da Construção gerou 109.911 vagas, com elevações na construção de edifícios (45.630) e obras de infraestrutura (27.286). A Agropecuária também apresentou saldo positivo no trimestre, com 19.278 postos de trabalho, com destaques para o cultivo de maçã (6.122) e de soja (5.181). Já o Comércio mostrou recuperação em março, alcançando resultado positivo pela primeira vez no ano, com acúmulo de 15.091 postos. ESTADOS – Das 27 unidades da Federação, 25 apresentaram saldo positivo na geração de empregos em março. Cinco estados se destacaram por abrir mais de 15 mil novos postos. São Paulo lidera a lista, com 76.941 novos empregos com carteira assinada no mês. Em seguida aparecem Minas Gerais (40.796), Rio de Janeiro (24.466), Paraná (17.858) e Goiás (15.742). Apenas Alagoas (-9.589) e Sergipe (-1.875) fecharam março com balanço negativo. No acumulado do primeiro trimestre, o maior saldo foi registrado em São Paulo (213.503). Minas Gerais aparece em segundo lugar, com 88.359 vagas. O Paraná vem em terceiro, com a criação de 69.618 postos em janeiro, fevereiro e março de 2024. GRUPOS POPULACIONAIS – Em março, o saldo ficou positivo para mulheres (124.483) e para homens (119.832). No que se refere à População com Deficiência, o saldo foi positivo, com geração de 558 postos de trabalho. No quesito cor, o saldo foi positivo para pardos (220.547), brancos (138.032) e pretos (44.491), ficando negativo para amarelos (-2.793) e indígenas (-1.946).  

Leia mais »
1 Maio Lula Itaquea

Lula participa do ato do 1º de maio em SP

Do Site do PT É o sexto ano consecutivo em que as centrais sindicais comemoram a data e apresentam reivindicações de maneira unificada Acontece nesta quarta-feira, a partir das 10h, no estacionamento do estádio do Corinthians, em Itaquera, zona Leste de São Paulo, o ato do 1º de maio, Dia do Trabalhador e da Trabalhadora. Está prevista a participação do presidente Lula, cuja chegada deve acontecer entre 12h e 13h, segundo o presidente da CUT, Sérgio Nobre. Lula vai destacar, entre outros pontos, as ações adotadas pelo governo federal para melhorar as condições de vida dos trabalhadores e das famílias brasileiras. É o sexto ano consecutivo em que as centrais sindicais comemoram a data e apresentam reivindicações de maneira unificada. CUT, Força Sindical, UGT, CTB, NCST, CSB Intersindical e Pública são os protagonistas do evento. Sérgio Nobre ressalta que o ato tem início a partir das 10h, com as falas de lideranças sindicais, representantes do movimento popular e sociedade civil, parlamentares, líderes partidários e ministros. Em pauta, sob o tema “Por um Brasil mais justo”, reivindicações como emprego decente, correção da tabela do Imposto de Renda, aposentadoria digna, valorização do serviço público e juros mais baixos. Vice presidenta da CUT, Juvandia Moreira destaca que “o Brasil possui uma das maiores taxas de juros do mundo, o que prejudica a economia, aumenta o endividamento das famílias e freia o desenvolvimento do país”. O presidente Lula encerra a primeira parte do evento falando sobre os avanços conquistados desde o ano passado, como os sucessivos recordes na geração de emprego, a retomada do ganho real do salário mínimo, o aumento da isenção do Imposto de Renda até dois salários mínimos, crescimento econômico e desenvolvimento social, segundo informação do ministro de Relações Institucionais, Alexandre Padilha. Em seguida, tem início o “Festival Cultura e Direitos” com apresentações artísticas e musicais com Paula Lima, Quesito Melodia, Afonsinho BV, Pagode dos Meninos, Trio da Lua, Taty Dantas, Dexter e show da Bateria da Gaviões da Fiel, entre outros. Serão realizadas, ainda, ações de cidadania voltadas à saúde e orientações sobre temas jurídicos, segurança alimentar, meio ambiente e direitos humanos. Está previsto, também, espaço para recreação infantil. O governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas, e o prefeito da Capital, Ricardo Nunes, foram convidados, mas não confirmaram presença até o momento. SERVIÇO – Acesso do público pelo Portão do Estacionamento Oeste do estádio; – Haverá pórticos com detectores de metais e revista em bolsas e mochilas; – Proibida a entrada de objetos cortantes, perfurantes, rígidos, fogos de artifício, latas e garrafas (inclusive plásticas); – Bebidas serão vendidas e servidas em copos descartáveis; – Não será permitida bebida alcoólica no evento; – Haverá 04 pontos para distribuição de água potável.

Leia mais »
Fb Img 1714430589039

Lula participa da entrega de aviões da Embraer comprados pela Azul

Por Aparecido Luiz da Silva (Cidão) Foi um prazer de ao lado do Presidente Lula e ministros participar da entrega dos aviões da Embraer comprados pela Azul. O complexo de vira latas ainda cega boa parte da nossa elite arraigada ao pensamentos da extrema direita, daqueles que acham que o Brasil tem que se preocupar apenas em vender matéria prima (comodites) e importar tudo que precisa. Graças a Deus e ao povo que elegeu Lula esse tempo vai ficando prá trás. Temos engenheiros e tecnólogos maravilhosos e muito criativos, fabricamos e exportamos aviões com tecnologia superior aos da Boeing e Airbus e vamos fabricar o nosso próprio carro voador. O Brasil tem que dar certo, é só colocar os trabalhadores no centro da economia, ai ninguém nos segura. Aparecido Luiz da Silva (Cidão) é advogado e foi secretário de Comunicação do PT Municipal e Estadual de São Paulo

Leia mais »
Screenshot 20240426 104101~2

Levante do gueto de Varsóvia relembrado com ato ecumênico

Da Casa do Povo Como diz o Hino dos Partizanos, em ídiche, mir zaynen do [estamos aqui], comemorando mais um aniversário do Levante do Gueto de Varsóvia, evento que marca simbolicamente o início da Casa do Povo. Nesta noite, lembramos dos judeus e das judias que se levantaram contra o nazismo em 19 de abril de 1943, e fazemos isso nos voltando para outros levantes – de ontem e de hoje -, afirmando nossa solidariedade com outras lutas. Em 2024, comemoramos um dia antes da data oficial, em 18 de abril, convocando desta forma para um levante que ainda está por vir, contra o fascismo, o fundamentalismo, o colonialismo, o ultra-nacionalismo e suas estruturas. Um levante pela paz. Saiba abaixo como foi a programação do encontro: QUEM ESTEVE CONOSCO? Convidamos para ser o orador da noite o professor Jawdat Abu-El-Haj, palestino radicado no Brasil, professor de ciências sociais na Universidade Federal do Ceará. Se existe sempre uma dificuldade em olhar para o levante dos outros, queremos entender que outros levantes podem existir no Oriente Médio. Em seu discurso, Jawdat apontou e convocou para estas outras possibilidades de levantes, que atravessam línguas, culturas, religiões e fronteiras. Antes do discurso, iniciamos a noite à luz das 6 velas acesas em memória dos 6 milhões de judias e judeus assassinados na Shoah. Em todos os anos, convidamos pessoas da comunidade que constrói a Casa do Povo para que façam parte desta cerimônia e, desta vez, contamos com a participação de 14 pessoas diferentes, acendendo as velas em duplas ou trios: • O Sheikh Rodrigo Jalloul, do Centro Islâmico da Penha, e o rabino Alexandre Leone, da Sinagoga Beit Massóret. • Joana Cortês, filha de ex-presos políticos, militante LGBTQIAPN+ e integrante do Ilú Obá de Min, e Rita Sipahi, advogada, ex-militante que foi presa política durante a ditadura milita, atual conselheira da Comissão da Anistia do Ministério dos Direitos Humanos e Cidadania. • Francesca Tedeschi, Leonardo Monteiro e Olga Torres, que fazem parte da equipe de produção da Casa. • Shin Ja Kim, do Coral das Mães Coreanas, e Sherine Shaaban, do Clube de Xadrez, dois representantes do Povo da Casa, comunidade formada grupos que habitam nosso espaço. Sherine também foi quem doou as kipot distribuídas no evento. • Rabina Fernanda Tomchinsky-Galanternik, da instituição parceira Comunidade Shalom, Ruben Dario, da nossa comunidade do bairro, e Teo Vilela, apoiador da Casa do Povo. • Avi Bursztein e Jawdat Abu-El-Haj, os dois convidados especiais da noite Em seguida, em um momento único para um espaço secular como a Casa do Povo, recebemos Avi Burzstein, chazan (cantor) da Congregação Israelita Paulista, para rezar o kadish como homenagem aos mortos, israelenses e palestinos, dos últimos meses. Após a fala de Jawdat Abu El-Haj, encerramos a noite como em todos os outros anos: ouvindo o Coral Tradição com seu repertório de músicas de resistência em ídiche, e depois nos juntando a ele para cantar, a muitas vozes, o Hino dos Partizanos. LEIA LEVANTES Neste ano, preparamos com o Parquinho Gráfico uma publicação, LEVANTES, para distribuição na noite do 81º Levante. A série reúne discursos de Ailton Krenak, Lúcia Xavier e Déborah Danowski, oradores de comemorações de anos anteriores, que documentam como circulam outros levantes em curso. As publicações agora ganham versão digital e, junto a um texto preparado por Jawdat Abu El-Haj, já estão disponíveis para leitura e download em nosso site.   Leia, apoie, critique, contribua com o Construir Resistência.   Não seja apenas uma massa de manobra  Pix para Simão Zygband 11 911902628 (☝️copie e cole este pix acima. Qualquer quantia é bem vinda)                

Leia mais »
Lula Com As Maos Juntas 1 90894

Relatos do facebook IV – sobre o Lula

Da Redação Esforços   Já velho e cansado, espanta a disposição do presidente. Admirável também sua fé num Brasil justo e desenvolvido. Louvável, ainda, suas inúmeras iniciativas por emprego, renda e inclusão social. Mas isso não basta. Três fatores criam dificuldades para Lula: 1) A composição muito conservadora do Congresso Nacional; 2) A má qualidade de muitos de seus ministros – amadores, pretensiosos, lerdos etc.; 3) O distanciamento do PT quanto aos movimentos sociais – deixando de ir onde o povo está pra ouvir suas demandas. Lula mais que uma vez já chamou o movimento sindical a ir às ruas, expor nossa pauta ao debate público, criando pressão de baixo pra cima. Isso não tem acontecido. As cúpulas quase que só se agrupam na questão do custeio sindical. Lula protagonizou a hercúlea tarefa de derrotar a extrema direita. E nós: estamos fazendo o quê?   Punição A ministra Cármen Lúcia colocou um ponto final na farsa do Power Point, um dos mais vergonhosos episódios da história do Ministério Público no Brasil. Deltan Dallagnol vai ter de pagar agora pelo mal que fez ao presidente Lula à verdade e ao país. Punição merecida e pedagógica, para que erros como aquele não se repitam e o MP nunca mais seja instrumento de perseguição política. É doença Lula deu uma excelente entrevista hoje. Pautou positivamente as redes, a mídia oligárquica apesar dos pesares. Há meses ele não conversava em café com os jornalistas. Não deixou de responder nada, apesar de ter escapado de temas mais espinhosos como o encontro com o gângster arthur lira. Corta para os programas dos canais progressistas. Foi bom, mas… E dá-lhe críticas. A comunicação do governo não é boa, Lula não pode aparecer demais, Paulo Pimenta não podia ter falado sobre pesquisas pipipopó. Cara, não dá. É o espírito obsessor, só pode. Não se analisa o que foi dito, mas o ponto de vista prévio dos jornalistas que projetam suas opiniões como se fossem fatos. E sempre é a perspectiva de que há problemas, tem isso, aquilo de problemas. Não há conjuntura, não há responsabilidade de outros atores sociais, tudo é erro do governo. Na boa, gente, se a extrema-direita voltar é muito por esse jornalismo condicionado a uma visão de mundo da hiena Hardy. Palas Athena – ativista política

Leia mais »
20240423 134520210 Ios

Lula defende estratégia internacional contra extrema-direita

Por Andreia Verdélio – Repórter da Agência Brasil Ideia é reunir democratas em evento à margem da assembleia da ONU O presidente Luiz Inácio Lula da Silva quer propor uma estratégia internacional para enfrentar o crescimento de movimentos de extrema-direita no mundo. A ideia de Lula é reunir “presidentes democratas” em evento à margem da Assembleia Geral das Nações Unidas (ONU), que acorre em setembro, em Nova York. “Nós estamos vivendo um novo período, os setores de esquerda, os setores progressistas, os setores democráticos têm que se organizar, têm que se preparar”, disse, nesta terça-feira (23), durante café da manhã com jornalistas no Palácio do Planalto. Lula afirmou que já conversou sobre a proposta com os presidentes da Espanha, Pedro Sánchez, e da França, Emmanuel Macron. Em café da manhã com jornalistas, Lula citou casos de violência e intolerância no Brasil e disse que há um ódio estabelecido que “não existia no país e agora virou uma coisa corriqueira”.. Ele lembrou que movimentos semelhantes acontecem em nações da Europa e nos Estados Unidos, país que já foi “o espelho mais fantástico da democracia”. Segundo o presidente brasileiro, hoje, centenas de pessoas estão presas nos Estados Unidos pela invasão ao Capitólio. Em 6 de janeiro de 2021, apoiadores de Donald Trump invadiram a casa legislativa para tentar reverter a derrota eleitoral do ex-presidente. “Foi uma afronta à democracia, e você não pode permitir que a negação das instituições prevaleça. Instituições que foram criadas para manter a democracia, por mais defeitos que elas tenham, é  extremamente importante que sejam fortes. Então, os Estados Unidos, que eram a imagem do respeito à democracia, do respeito às instituições, estão do jeito que estão”, disse. O presidente lembrou que, há algumas décadas, a América do Sul era formada por maioria de governos “com compromisso com a esquerda e com a tese de um Estado socialmente justo”. “Se você pegar América do Sul hoje, você percebe que houve um retrocesso exatamente pelo conhecimento da extrema-direita, pelo crescimento da xenofobia, pelo crescimento do racismo, da perseguição a minorias, a pauta de costumes muitas vezes com assuntos retrógrados. Isso ganhou corpo e, por isso, o Brasil tem destaque”, disse. O presidente quer aproveitar o “otimismo nas relações diplomáticas” com o Brasil para fazer uma “discussão política do fundo” sobre esses movimentos e o seu enfrentamento. “Pelo que eu vejo de informação, eu sou considerado persona non grata [que não é bem-vindo] pela extrema-direita do mundo inteiro”, disse. “Há uma expectativa muito grande com relação ao Brasil e uma expectativa muito grande com relação ao simbolismo da volta da democracia neste país”, disse, destacando sua participação em diversos fóruns internacionais deste o início do terceiro mandato. Encontro com Milei Na conversa com os jornalistas, Lula também comentou as relações do Brasil com países da América do Sul, como a Argentina. No último dia 15, o ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, recebeu a chanceler argentina, Diana Mondino, em sua primeira visita oficial a Brasília desde a posse do presidente Javier Milei. Durante a campanha eleitoral, o político da extrema-direita chegou a ameaçar cortar relações com o Brasil. Ele e Lula ainda não se encontraram; durante a posse do argentino, o Brasil foi representado pelo chanceler Mauro Vieira. De acordo com Lula, Vieira recebeu uma carta de Milei, mas o presidente ainda não sabe o conteúdo do documento, nem se há interesse em um encontro. “Acontece que o meu chanceler viajou, e eu ainda não vi a carta, não sei o que o Milei está dizendo na carta”, disse. O Itamaraty informou que, durante o encontro na semana passada, Vieira e Diana Mondino discutiram temas como a infraestrutura física fronteiriça, cooperação em energia e defesa, melhoria da Hidrovia Paraguai-Paraná e fortalecimento do Mercosul e dos processos de integração regional.

Leia mais »
171372940166256f799367d 1713729401 3x2 Md 960x540

Dinossauro encontrado na Bahia ganha o nome de Tietasaura

Por Jéssica Maes – ICL Notícias  Depois de passar mais de um século perdido em meio às estantes do Museu de História Natural de Londres, um dinossauro achado na Bahia foi batizado de Tietasaura derbyiana por paleontólogas brasileiras. O nome é uma homenagem à protagonista de “Tieta do Agreste”, livro do baiano Jorge Amado que foi adaptado para TV e cinema. Os ossos do dinossauro, que são os primeiros a serem descobertos na América do Sul, foram localizados na região do Recôncavo Baiano entre 1859 e 1906, mas só agora foram analisados e descritos como uma nova espécie. O achado foi publicado na revista científica Historical Biology, no último dia 11. A Tietasaura representa o primeiro vestígio ósseo de um animal do grupo ornitísquio já encontrado no Brasil — até então, os únicos registros no país desse tipo de dinossauro eram pegadas. O grupo é formado por herbívoros que têm o focinho em formato de bico, como o triceratops e o estegossauro. Além disso, os fósseis são de um dinossauro relativamente pequeno, medindo cerca de dois metros de comprimento — como foram analisados apenas pedaços do fêmur, ainda não é possível saber se o exemplar era um adulto ou não. Por habitar uma área em que havia predadores muito maiores, provavelmente vivia em bandos. A Tietasaura viveu há cerca de 130 milhões de anos, no início do período Cretáceo. Na época, a América do Sul e a África estavam começando a se separar e estima-se que a região do Recôncavo Baiano era formada por praias de rios que, eventualmente, poderiam ser invadidos pela água do mar que avançava pouco a pouco sobre o continente. Tietasaura: pesquisadoras da UERJ coordenaram trabalho O trabalho foi coordenado por Valéria Gallo e Kamila Bandeira, pesquisadoras do Instituto de Biologia Roberto Alcântara Gomes (Ibrag) da UERJ (Universidade Estadual do Rio de Janeiro), em parceria com profissionais de outras instituições nacionais, como o Museu de Zoologia da USP e o Museu Nacional. “Tieta é uma abreviação de Antonieta, que significa ‘inestimável’. Então, [o nome] faz essa alusão ao valor inestimável dessa espécie nova”, conta Bandeira, que é fã de Jorge Amado. Ela diz que a referência à personagem também faz uma brincadeira com a história do material estudado. “A Tieta cresce numa cidade tradicional, sai de casa e volta trazendo grandes novidades ali para a região. E esse material não deixa de ser isso: ele saiu [de sua terra natal], foi considerado perdido e quando retornou trouxe todo esse reboliço e essas boas novas para a paleontologia”, explica a pesquisadora. Pedaço do fêmur do dinossauro Tietasaura derbyiana encontrado no século 19 e descrito por pesquisadoras brasileiras. Foto: Kamila Bandeira/ Divulgação O nome escolhido homenageia, ainda, um dos naturalistas responsáveis pelas expedições que encontraram os fósseis da Tietasaura derbyiana: Orville Derby, fundador do Serviço Geológico do Brasil e pioneiro da paleontologia no país. Bandeira ficou sabendo da existência dos fósseis em uma visita de pesquisa ao Museu de História Natural de Londres. A cientista diz acreditar que os materiais ficaram esquecidos por tanto tempo por um misto de desinteresse internacional e falta de informação. “Para os estrangeiros não importava tanto esse material tão fragmentário e que nem era deles. E aqui no Brasil a gente não tinha, talvez, uma comunidade tão bem estabelecida, com recursos para ir para fora do país avaliar onde estavam esses materiais”, afirma ela. Reconstrução do paleoambiente hipotético da Bacia do Recôncavo durante o período Cretáceo Inferior, com a espécie Tietasaura derbyiana (à esquerda, em meio a arbustos e um tronco caido) retratada em meio a outros dinossauros. Foto: Matheus Gadelha/ Divulgação Além da Tietasaura, a equipe analisou mais fósseis encontrados durante essas expedições e foi possível identificar a presença de outros cinco grupos de dinossauros na região. “[Essa descoberta] enriquece a nossa paleofauna, porque é o registro de um grupo que até então a gente não tinha aqui”, afirma. “A fauna dessa época da Bahia é pouco conhecida. Também estamos falando de uma faixa de tempo, da transição do Jurássico para o Cretáceo, que globalmente é muito pouco conhecida.” Bandeira ressalta que o achado tem, ainda, uma importância histórica. “São materiais que foram coletados no surgimento das ciências naturais aqui na América do Sul. Enquanto em várias coleções do mundo esses primeiros exemplares são perdidos — como esses também estiveram, por muito tempo—, aqui eles foram recuperados e estão salvaguardados em um museu”, diz. “As pessoas acham que só se perde material [científico] aqui [no Brasil]. Pelo contrário, tem muito material antigo que foi coletado na América do Sul como um todo, foi levado pela Europa e não se tem ideia de onde está. Esse dinossauro era um deles, mas felizmente foi reencontrado”, comemora.

Leia mais »
Rolar para cima