Construir Resistência
9e4d3a409486693c4ecebc91bcd71455_6ca8fc778de3714f6d60208e11f20c24

Atos golpistas em Brasília têm tinta da caneta de Ibaneis Rocha

Por Caroline Oliveira – Brasil de Fato

“Deixar acontecer é passível de responsabilização. Deve-se responsabilizar toda a cadeia cadeia de comando e controle”, explica Jacqueline Muniz

O governador do Distrito Federal Ibaneis Rocha (MDB), seu secretário de Segurança Pública Anderson Torres e o comandante da Polícia Militar do DF, o coronel Fábio Augusto Vieira, devem ser responsabilizados pelo ato criminoso de bolsonaristas que invadiram a sede dos Três Poderes em Brasília, na tarde deste domingo (8). A análise é de Adilson Paes de Souza, mestre em Direitos Humanos pela Faculdade de Direito da USP e tenente-coronel aposentado da Polícia Militar de São Paulo.

“O governo do Distrito Federal como um todo, e não só o secretário de Segurança Pública, é responsável pela omissão flagrante. Não fizeram nada. Basta lembrar do que aconteceu na noite da diplomação do Lula [12 de dezembro] e até agora nada foi feito pelo governo do Distrito Federal”, afirma Souza.

“Claramente tinham poucos policiais. Havia policiais tirando foto e havia policiais escoltando os manifestantes até a Praça dos Três Poderes. O envolvimento do governo do Distrito Federal através de suas autoridades da Polícia Militar é evidente. Óbvio que os bolsonaristas são responsáveis. E inclusive não tem como descartar a responsabilidade do Jair Bolsonaro”, disse o tenente-coronel aposentado da PM-SP.

Com apoio do Exército, fascistas promovem “Capitólio à brasileira”: gravíssimo

“Dava muito bem para avaliar a gravidade da situação, que vinha piorando há muito. Basta relembrar o que aconteceu quando o Lula foi diplomado. Aquilo lá já foi em ensaio. Como nada aconteceu, encorajou. O governo do Distrito Federal e as autoridades no mínimo foram partícipes por omissão desses atos terroristas.”

Na mesma linha, a cientista política, antropóloga e especialista em Segurança Pública Jacqueline Muniz, professora da Universidade Federal Fluminense (UFF), avalia que “a demora da ação policial, antes de ser uma decisão tática, é uma decisão política do governador”, escreveu em seu perfil no Twitter.

Foto: Renato Alves/Agência Brasília “Governador do DF fez um policiamento de figuração”, diz Jacqueline Muniz

“A invasão do Congresso, planalto e STF contou com a tinta da caneta do governante. O deixar acontecer é passível de responsabilização. Deve-se responsabilizar toda a cadeia de comando e controle, do governador ao policial de ponta”, disse a pesquisadora.

“O governador do DF fez um policiamento de figuração, em função das contas políticas que fez sobre rendimentos políticos a serem extraídos da invasão encenada e publicizada em verso e prosa ao longo da semana.”

O governador do DF se desculpou pela invasão à sede dos Três Poderes em vídeo divulgado em suas redes sociais ainda neste domingo (8). Ibaneis Rocha afirmou que desconhecia a gravidade da manifestação golpista que se aproximava da Esplanada dos Ministérios.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), no entanto, afirmou que não aceita as desculpas enviadas pelo governador do DF. O petista assinou um decreto, mais cedo, autorizando a intervenção federal na Segurança Pública do Distrito Federal até 31 de janeiro deste ano.

José Múcio e Flávio Dino 

Adilson afirma ainda que o atual ministro da Defesa José Múcio também deve ser responsabilizado.  “Na noite da diplomação do Lula houve a omissão da cúpula do governo do Distrito Federal. Por que ele não mandou instaurar inquérito contra governador e secretário de segurança pública do Distrito Federal?”, questiona Adilson.

O mestre em Direitos Humanos relembrou que Múcio classificou, durante a sua cerimônia de posse no dia 2 de janeiro, os acampamentos de bolsonaristas em frente aos quartéis militares como “manifestação da democracia”.

Alvo de atos violentos por anos, Venezuela vê acontecimentos no Brasil “com preocupação”

“Eu falo com autoridade porque tenho parentes lá. No de Recife, tenho alguns amigos aqui [Brasília]. É uma manifestação da democracia. A gente tem que entender que nem todos os adversários são inimigos, a gente tem até inimigos correligionários. Eu acho que daqui um pouquinho aquilo vai se esvair e chegar a um lugar que todos nós queremos”, disse Múcio na ocasião.

O tenente-coronel aposentado também aponta para uma possível falha na atuação do atual ministro da Justiça Flávio Dino, que deve, em suas palavras, ser repreendido. “Ele falhou em não ter informações sobre a real gravidade da situação, falhou em não cobrar ostensivamente de forma veemente proteção aos prédios dos três poderes”, afirmou.

 

Compartilhar:

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Email

Matérias Relacionadas

Rolar para cima