Até consumo moderado de álcool faz mal ao cérebro

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram

Publicado no Facebook do Nelson Nisenbaum

Em estudo da coorte observacional ido Biobank britânico, os autores estimaram a relação entre o consumo moderado de álcool e a saúde cerebral. Deste modo, determinaram o limiar de ingestão para dano cerebral e identificaram os subgrupos populacionais sob maior risco.

No período entre 2014 e 2020, foram incluídos 25.378 participantes com média de idade de 54,9 anos. Eles responderam questionários validados sobre o consumo de álcool, submeteram-se a testes cognitivos e à ressonância magnética (RM) cerebral. A saúde cerebral foi definida pelas medidas estruturais e funcionais do cérebro à RM.

O consumo de álcool associou-se, linear e negativamente, com o volume global de massa cinzenta cerebral. Essa associação foi a mais expressiva quando comparada aos outros fatores de risco testados. Na comparação aos indivíduos que nunca beberam, o consumo de álcool apresentou efeitos aditivos negativos à estrutura cerebral.

O consumo de álcool incrementou o risco de hipertensão e IMC. É importante destacar que não encontraram efeitos diferenciais entre os tipos de bebidas alcoólicas consumidas.

Os autores concluíram que o consumo moderado de álcool está associado a efeitos adversos maiores do que os reconhecidos anteriormente, sendo que os indivíduos com hipertensão arterial ou obesos são mais suscetíveis ao risco.

Nesse sentido, os efeitos da bebida parecem ser piores do que outros fatores. Portanto, nenhum nível de consumo de álcool é seguro para o cérebro. As diretrizes atuais devem levar em consideração a saúde cerebral em suas recomendações.

Referência: Topiwala A et al. No safe level of alcohol consumption for brain health: observational cohort study of 25,378 UK Biobank participants. MedRxiv. 2021; DOI: 10.1101/2021.05.10.21256931.

PS: Perdoem-me por esta notícia dada bem fora de época…

 

Nelson Nisenbaum, 60 anos, médico, escritor e ativista, especialista em Clínica Médica e Psiquiatria Clínica.  Trabalhou 25 anos no SUS em medicina de urgência e emergência, foi delegado do CRM em São Bernardo do Campo e Diadema, foi membro do Conselho Municipal de Saúde de SBC. Atualmente atende em consultório particular.

 

 

Veja também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *