Construir Resistência

A síndrome do mal

Compartilhado do BRASIL DE FATO

“Bolsonaro pode cair, mas  os 30% de violentos e machistas vão continuar”, avisa o pesquisador Antonio Cattani para quem a “síndrome do mal”aparece sob a forma de autoritarismo, egoísmo, obsessão com sexo e irracionalismo.
Entrevista de Ayrton Centeno
Pesquisador do mundo dos trabalhadores e dos seus sindicatos, o sociólogo Antonio David Cattani resolveu, nos últimos anos, dar uma guinada de 180 graus: passou a estudar as classes abastadas. Consequência dessa mudança de rota são seus livros Riqueza desmistificada, Carí$$imos ricos, Ricos, podres de ricos e A sociedade justa e seus inimigos, este em co-autoria com Marcelo Oliveira.
Cattani fez doutorado na Université de Paris I – Panthéon-Sorbonne e foi pesquisador e professor visitante nas universidades de Oxford e Bologna. Sua última obra é A síndrome do mal (Ed. Cirkula, 2020), na qual investiga as peculiaridades do fascismo no Brasil bolsonarista, onde aflorou aquilo que qualifica como “a parte podre da sociedade” composta por uma confraria de ressentidos e intolerantes.

Depois do assassinato do dirigente petista Marcelo Arruda e diante da ameaça de uma maré de violência política ameaçando a campanha eleitoral, O Brasil de Fato RS conversou com ele sobre as raízes desse ódio que enche de incertezas os próximos dias e meses.

“Pessoas acometidas pela síndrome do mal aparecem diariamente no palanque presidencial”, afirma Cattani.

Confira a entrevista:

https://www.brasildefato.com.br/2022/07/27/bolsonaro-pode-cair-mas-os-30-de-violentos-e-machistas-vao-continuar-avisa-pesquisador?bdf=i

Foto: Igor Sperotto/ Extra Classe

Compartilhar:

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Email

Matérias Relacionadas

Rolar para cima