Construir Resistência
rita lee

A profecia de Rita Lee

Por Hélio Alcântara
Rita Lee voou. Que bom! Afinal, poderá usar novamente as asas que proporcionaram a ela alguma liberdade numa sociedade medíocre cravada em um mundo complexo. Em sua autobiografia, Rita escreveu sobre a própria morte, imaginando como seria a repercussão que hoje, terça, 09 de maio de 2023, experimentamos. Concessão zero à nossa hipocrisia cotidiana. Aí vai um trecho:
“PROFECIA
Quando eu morrer, posso imaginar as palavras de carinho de quem me detesta. Algumas rádios tocarão minhas músicas sem cobrar jabá, colegas dirão que farei falta no mundo da música, quem sabe até deem meu nome para uma rua sem saída. Os fãs, esses sinceros, empunharão capas dos meus discos e entoarão “Ovelha negra”, as tvs já devem ter na manga um resumo da minha trajetória para exibir no telejornal do dia e uma notinha no obituário de algumas revistas há de sair. Nas redes virtuais, alguns dirão: “Ué, pensei que a véia já tivesse morrido, kkk”. Nenhum político se atreverá a comparecer ao meu velório, uma vez que nunca compareci ao palanque de nenhum deles e me levantaria do caixão para vaiá-los. Enquanto isso, estarei eu de alma presente no céu tocando minha autoharp e cantando para Deus: “Thank you Lord, finally sedated”.*
Epitáfio: Ela nunca foi um bom exemplo, mas era gente boa.
*Obrigado, Senhor. Finalmente sedada.

 

Hélio Alcântara é jornalista e escritor. Autor do livro Wladimir, sobre o lateral corintiano

Compartilhar:

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Email

Matérias Relacionadas

Rolar para cima