A passagem pelo luto torna-se fonte de luz

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram

Por Beatriz Herkenhoff

Quando resgatamos nossas potencialidades

Milhares de pessoas estão vivendo o mesmo que nós e precisam ler e ouvir o que temos a dizer, ou mesmo, o que temos a silenciar. A sinergia através do silêncio também se faz necessária.

O fundamental é que nossa energia de amor chegue até o outro. Que o amor circule individual e coletivamente.

Nessa dinâmica, somos fortalecidos pela certeza de que podemos, a partir do turbilhão de sentimentos que nos invadem, reconstruir nossa identidade despedaçada e vislumbrar novos caminhos.
Se ao longo de nossa vida engolimos o luto, se jogamos as tristezas e raivas para de baixo do tapete, provavelmente corremos o risco de carregar em nossa bagagem mágoas e ressentimentos.

As perdas do passado se misturam às perdas do presente e nos tornamos amargas e melancólicas. Embora tenhamos a sensação de que aquela etapa de luto foi vencida, carregamos tudo que ficou guardado, e em algum momento essa dor vai explodir com força.

A vivência do Luto

Viver o luto é uma das tarefas mais difíceis que se apresentam para nós. Por isso ficamos sem chão, sem desejo, sem horizonte, sem ação, sem força, sem perspectiva. A morte gera um desejo de não vida, de perda de sentido para a existência.

Com a #pandemia, o luto ocorre permanentemente com as mortes diárias (que poderiam ter sido evitadas). Também com a necessidade de #distanciamentosocial, que provoca um luto pela ausência daqueles que amamos, e pela indiferença silenciosa de alguns amigos e familiares. Mas, simultaneamente, uma luz se acende ao vivermos o luto.

Somos convidados a romper com condicionamentos sociais e culturais, tais como: “para vencer na vida tem que ser forte, engolir o choro e negar os sentimentos”, “tenha pressa para sair do caos e da paralisia”. Condicionamentos que associam o valor da vida ao sucesso, à aparência, à competição, ao consumismo e ao individualismo. Concepções que não nos ajudam quando perdemos vidas, empregos, sustentabilidade financeira, psíquica, emocional e espiritual.

 Reorganização da vida

No momento da partida é importante expressarmos tudo que está no mais profundo do nosso coração. Chorar e escrever também são recursos que nos ajudam. E aos poucos, vamos reorganizando o nosso jeito de ser e estar no mundo. Aqueles que não estão mais aqui deixaram marcas profundas, e continuam a viver através de nossos gestos e ações. Eles (elas) vivem para sempre, serão nossos guias e mestres para que possamos dar continuidade aos seus projetos.

A passagem pelo luto torna-se fonte de luz quando: resgatamos nossas potencialidades; olhamos para os dons que recebemos e nos sentimos motivados a coloca-los novamente a serviço; exercitamos a gratidão; cuidamos de tudo que minou a nossa autoestima e autoconfiança. O equilíbrio bio-psíquico-espiritual e afetivo será reencontrado com ajuda profissional (na pandemia muitos profissionais estão prestando serviços gratuitos nessa área) e com ajuda daqueles que amamos.

A esperança, a luz e a fé que ficaram adormecidas, irão ressurgir em gotas homeopáticas. Serão sinais para que o outro encontre o seu caminho junto comigo.

Nesse processo de diálogo com o outro e comigo mesma, é importante relembrarmos tudo que construímos até aqui. Quantas trocas intensas em todas as áreas de nossa vida! Quantos relacionamentos lindos pautados pelo amor, identidade, companheirismo, cumplicidade e alegria! Quantos laços de amizade e reciprocidade construímos!

Quantas vezes vivemos a gratuidade, o serviço, o amor, o desprendimento, a generosidade e a partilha dos conhecimentos! Quantas vezes pautamos nossas vidas pela ética, pelo amor, pela justiça, pela igualdade, pelos direitos humanos, sociais e políticos!

Essas experiências nos fizeram acreditar no amor. E, hoje, nos fortalecem para acreditar que ainda temos muito a realizar em nossa passagem por esse mundo.

O tempo que o tempo leva…

Com o tempo, em algum momento, irá nascer novamente o desejo de sair do nosso eu e ir ao encontro do outro. Canalizar a nossa libido para contribuir com um mundo mais justo e humano.

Ouvirmos o clamor dos pobres, nos sensibilizarmos com a falta de pão à sua mesa, assumirmos suas alegrias e angústias, partilharmos nosso tempo e dedicação nos envolvendo em campanhas de solidariedade que estão fazendo a diferença nesse momento de tantas perdas.

Lutarmos para que todos tenham direito à vacina, ao emprego, à saúde, educação, à segurança e a um país onde a democracia predomine. Entre tantas outras tarefas e movimentos.

Esse momento tão duro e com tantos desafios, nos convida à resiliência, ao amor e à resistência!

Nota da Autora:

Hoje sou pura gratidão. Estou recebendo muitas mensagens de pessoas que foram profundamente tocadas por minhas reflexões sobre o luto. Saibam que suas palavras e a partilha de sua dor me levaram às lágrimas.

E essa troca já é um sinal de que podemos viver o luto coletivamente. Não precisamos ficar isolados em nossa dor, nem engolir nossos sentimentos, nem nos autodepreciar porque nos sentimos impotentes e fragilizados.

Beatriz Herkenhoff é doutora em serviço social pela PUC São Paulo. Professora aposentada da Universidade Federal do Espírito Santo.

 

 

Veja também

Vim das selvas

Por Adriana do Amaral Quando o presidente da Argentina, Alberto Fernández, disse que “os brasileiros vieram da selva”, muita gente se revoltou

#19J

São inúmeras as razões de ir às ruas, hoje. #Comidanoprato #Vacinanobraço #Forabolsonaros #Vidasimportam  

Criptomoedas e suicídio

Por Ari Meneghini Ocorreu há dois dias mais um suicídio de um jovem que tentou ficar rico rapidamente com as criptomoedas. Perdeu,

2 respostas

  1. Muitos parabéns pela sua crônica! Suas palavras me tocaram profundamente!
    Como dizia papai: depois da tempestade vem a bonança. Mas muitas vezes nem sabemos para onde correr no momento da tempestade.
    Penso que o caminho de ir encontro do outro para poder dividir o nosso luto com ele e carregar um pouco do dele conosco abre uma luz no meio do túnel e nos move a seguir sem mágoas, sabendo que a alegria virá com o tempo e que o tempo é senhor do dia de luz que vem após a noite de escuridão.
    Ler suas crônicas reforça em mim, o meu jeito Poliana de ser: acreditar que se ainda não está tudo bem é porque ainda não chegamos ao fim e que o final será melhor se eu fizer a minha parte nesta caminhada.

    1. Que lindo retorno querida Maria José. Suas reflexões confirmam o que escrevi sobre o luto e ao mesmo tempo acrescentam ao buscarmos estratégias de enfrentamento e superação, gratidão, beijos Beatriz

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *