Construir Resistência

A casa e a cidade do imortal Fiódor Dostoiévski

Por: Francisco José Nunes

O grande escritor russo #FiódorDostoiévski morou em mais de 20 endereços na cidade de #SãoPetersburgo. Ele nasceu em #Moscou no dia 11 de novembro de 1821 e morreu no dia 28 de janeiro de 1881. No apartamento em que viveu seus últimos anos de vida foi criado o #MuseuCasadeDostoiévski”.

Ele morou nesse apartamento em dois momentos diferentes: em 1846, quando escreveu o livro “O Duplo”, no seu início de carreira como escritor. Depois, ele retornou a este apartamento em outubro de 1878 e viveu até janeiro de 1881. Neste período ele escreveu o livro “Os Irmãos Karamázov” (1879-1880).

Por ocasião dos 150 anos de nascimento do escritor foi inaugurado este museu, no dia 12 de novembro de 1971. A parte interior do apartamento foi recriada de acordo com as memórias de sua esposa Anna Grigorievna (1846-1918) e das memórias de alguns contemporâneos do escritor. O apartamento conserva a estrutura original: a sala de brinquedos das crianças, o quarto da esposa, a sala de jantar, a sala de estar e o escritório de Dostoiévski.

Em que pese o respeito por essas divisões, é possível encontrar brinquedos das crianças ao lado da mesa de trabalho do pai. Ele era muito apegado aos filhos. Também é possível ver o seu chapéu e o seu guarda-chuva.

Sabe-se que o escritor não gostava de receber muitas pessoas no apartamento, muito menos no seu escritório de trabalho. Apenas pessoas muito próximas tinham contato com aquele escritório de estilo austero. Ele tinha por hábito trabalhar entre as 23h e as 6h00 da manhã.

Aproveitava o silêncio da noite para criar melhor e para produzir mais. Acordava tarde e gostava que o seu samovar estivesse sempre com água quente, para tomar chá, sua bebida predileta. Era no horário do jantar que toda a família estava reunida e podia conversar e brincar. Ele tinha o hábito de sempre ler para seus filhos e ler livros de diversos autores.

A mesa de trabalho do escritor foi recriada: tem a pena que ele usava para escrever suas obras. Ao lado da mesa tem um relógio-calendário que está marcando o dia e horário de sua morte: 28 de janeiro, às 20h36 minutos.

No mesmo edifício foi realizada uma expansão do museu, tem uma ótima exposição multimídia (sobre a biografia e as obras do autor), em outra parte tem salas para exposições de arte e salas para conferências. Ainda no mesmo edifício tem o “Teatro Branco”, que apresenta as suas próprias performances e faz parcerias com outros teatros locais, nacionais e internacionais.

Todo mês de novembro o museu hospeda uma conferência acadêmica internacional: “Dostoiévski e a cultura mundial”. Essas conferências são publicadas em formato de anais de congresso. No museu também tem uma lojinha para venda de souvenirs, livros, camisetas, canetas, canecas etc.

No decorrer dos anos, o acervo do museu aumentou muito. A biblioteca possui mais de 24.000 livros e uma coleção de manuscritos. Frequentemente recebe doação de livros de estudiosos da obra de Dostoiévski. O museu tem uma coleção de fotografias e outra de artes gráficas.

O escritor gostava de São Petersburgo, dizia que era uma “cidade intensa e abstrata”. Alguns estudiosos dizem que a cidade de São Petersburgo também era um personagem nas obras de Dostoiévski. Ele gostava de morar em apartamentos angulares, com varanda e com visão para uma igreja. O apartamento onde está o museu tem vista para a Catedral Vladimirsky, a rua ao lado do edifício tem o nome do escritor e o nome de uma das estações de metrô na região é “Dostoievskaia”.

Nota do Autor:

Desde o dia 30 de outubro de 2021 o museu está exigindo o comprovante de vacinação contra a #Covis-19, com um código QR e um documento de identidade para que a pessoa seja autorizada a entrar.

Serviço

Museu Casa de Dostoiévski

Cidade: São Petersburgo – Rússia

Rua: Kuznechny Pereulok 5/2

Metrô: Vladimirskaya

Horário de funcionamento:

Terças, quintas, sextas, sábados e domingos: das 11h00 às 18h00.

Quartas-feiras: das 13h00 às 20h00.

A bilheteria fecha 30 minutos antes do fechamento do museu.

Segundas-feiras: fechado

Ingresso: 250 rublos (cerca de R$19,00); estudantes pagam 100 rublos.

    

    

    

    

    

   

Fotos: Francisco José Nunes

Francisco José Nunes é Mestre em Ciências Sociais – PUC-SP; Graduado em Filosofia; Professor na Faculdade Paulista de Comunicação – FPAC.

 

Compartilhar:

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Email

Matérias Relacionadas

Rolar para cima