Construir Resistência
Foto: Arquivo Pessoal

A caixinha de madeira

Por Miriam Waidenfeld Chaves

Afinal, por onde andaria a minha caixinha de madeira? Não era uma caixinha de madeira qualquer. Tratava-se de uma caixinha de madeira comprada em minha lua de mel, na Índia.

Era a caixinha de madeira mais linda que eu já tivera.

A caixinha de madeira era toda marchetada. Na época, o indiano que a vendeu disse “it’s an antique box”. Pagamos uma fortuna por aquela caixinha de madeira marchetada.

Eu poderia ter escolhido outra caixinha. Uma caixinha de marfim. Era até mais barata. Mas não houve jeito. Aquela caixinha de madeira marchetada parecia que havia sido esculpida para mim.

Estou há  dois dias me perguntando: por onde andará a minha caixinha de madeira marchetada comprada em minha lua-de-mel, na Índia? Desde sábado, desapareceu da terceira gaveta de meu guarda-roupa.

Será que alguém a roubou? Quem sabe, não foi a minha filha que a pegou para descobrir os meus segredos? Talvez possa ter sido  Clarice, minha neta.

Fiquei desesperada.

De repente, lembrei-me que  havia colocado fogo em minha caixinha de madeira. Só encontrei bugigangas – cartas, fotografias, pequenas folhas secas, poemas, algumas lembranças – dentro dela. Sem mais nenhuma serventia, acreditei.

Nessa hora, num instante de lucidez, me dei  conta de que já  não era mais a mesma. Estarrecida, compreendi que a minha memória virara pó.

 

Miriam W. Chaves é professora da UFRJ e contista

Compartilhar:

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Email

Matérias Relacionadas

Rolar para cima