Construir Resistência

13 de dezembro de 2022

Servidor da PF lotado na Presidência acusa GSI por terror em Brasília

Por Henrique Rodrigues da Revista Fórum    “É terrorismo de Estado”. Noite de pânico protagonizada por bolsonaristas teria sido planejada pela Inteligência do Planalto, com anuência de forças policiais do DF. Veja a entrevista completa Um servidor da Polícia Federal (PF) que é lotado na Presidência da República acusa o GSI (Gabinete de Segurança Institucional), responsável pelo serviço de Inteligência e pela segurança do presidente Jair Bolsonaro (PL), chefiado pelo general da reserva Augusto Heleno, de estar por trás dos atos terroristas que apavoraram Brasília na noite de segunda-feira (12), quando inúmeros bolsonaristas espalharam violência, chamas e pânico por meio de uma ação coordenada que envolveu uma tentativa de invasão da sede da PF, bloqueio de vias expressas, queima de carros e ônibus e intimidações a cidadãos que estavam em locais públicos. As declarações e a versão sobre a responsabilidade dos atos foram dadas com exclusividade à reportagem da Fórum, que exigiu toda a documentação do denunciante, como a publicação da sua nomeação no Diário Oficial da União para o cargo dentro da Presidência da República e seus documentos funcionais, assim como um contato visual para comprovar a identidade da fonte. “O que está acontecendo e, principalmente o que ocorreu ontem em Brasília, é terrorismo de Estado. O GSI está na cabeça disso, e o uso da área do QG, que é militar, é do Exército, não é à toa. O próprio secretário de segurança do DF disse isso ontem em coletiva, que ‘ninguém entra lá porque é área do Exército’, uma desculpa pronta e perfeita. O GSI tem hoje poder para controlar mais de mil militares diretamente lá dentro (do QG do Exército e nos acampamentos) e eles estão literalmente bancando, mantendo e abrigando essa gente lá dentro (da área do QG) e logicamente ninguém fardado está aparecendo, porque essa é a forma de operar deles, uma guerra híbrida que alimenta e fomenta tudo que está ocorrendo ali. É explícito para quem está perto que o GSI está incitando isso com esses civis, todo mundo está por ali (Gabinete da Presidência) sabe disso”, começou dizendo o PF. O denunciante disse ainda que a sequência de acontecimentos e a maneira como essas ocorrências vêm escalando, em termos de violência, são as “digitais” do pessoal de inteligência do GSI, assim como da orquestração de Jair Bolsonaro, que se envolve ativamente nos estímulos enviados a seus radicais seguidores. O núcleo central do órgão de arapongagem do governo federal, segundo a fonte, é composto por gente que tem vasta experiência nesse tipo de atividade, no Brasil e no exterior. “Dentro dessa coordenação toda, totalmente proposital, as coisas acontecem de maneira clara. Primeiro o silêncio de Bolsonaro para manter todos por ali, agora essas aparições proféticas e esses sinais… Esse pessoal internalizou tão profundamente essa maluquice que esses tais sinais, ele falando da pátria, ele rezando, enfim, tudo isso é parte de uma estratégia de guerra psicológica que é puramente militar e a coisa é entendida subliminarmente assim por todos. O GSI é essencialmente formado por oficiais militares de uma geração que atuou por muito tempo no Haiti e nas GLO’s (operações de Garantia da Lei e da Ordem)… Esse oficialato de Inteligência opera a partir de uma lógica de que eles podem interferir em absolutamente tudo e, numa situação como a atual, operar usando o terrorismo é algo bem natural e é algo que eles vão fazer, aliás, estão fazendo… Começaram com esse negócio de ir em shopping, em restaurantes, em ônibus, e o pânico está disseminado, e ontem eles riscaram o fósforo”, explicou. Em relação à versão oficial de que toda a baderna generalizada teria começado com a prisão de um líder indígena bolsonarista, que é pastor, por ordem do ministro Alexandre de Moraes, do STF e do TSE, atendendo a um pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR), o federal refuta e diz que o pretexto “caiu bem”. Main Logo Forum Apoie-nos Menu Pincipal Receber Notificações Push TERRORISMO EXCLUSIVO: Servidor da PF lotado na Presidência acusa GSI por terror em Brasília “É terrorismo de Estado”. Noite de pânico protagonizada por bolsonaristas teria sido planejada pela Inteligência do Planalto, com anuência de forças policiais do DF. Veja a entrevista completa Bolsonaristas cometem atos terroristas em Brasília no dia da diplomação de Lula Veículo incendiado por bolsonaristas, num posto, em Brasília. Bolsonaristas cometem atos terroristas em Brasília no dia da diplomação de Lula Créditos: Twitter/Reprodução Por Henrique Rodrigues POLÍTICA13/12/2022 · 17:54 hs Comparta este artículo Um servidor da Polícia Federal (PF) que é lotado na Presidência da República acusa o GSI (Gabinete de Segurança Institucional), responsável pelo serviço de Inteligência e pela segurança do presidente Jair Bolsonaro (PL), chefiado pelo general da reserva Augusto Heleno, de estar por trás dos atos terroristas que apavoraram Brasília na noite de segunda-feira (12), quando inúmeros bolsonaristas espalharam violência, chamas e pânico por meio de uma ação coordenada que envolveu uma tentativa de invasão da sede da PF, bloqueio de vias expressas, queima de carros e ônibus e intimidações a cidadãos que estavam em locais públicos. As declarações e a versão sobre a responsabilidade dos atos foram dadas com exclusividade à reportagem da Fórum, que exigiu toda a documentação do denunciante, como a publicação da sua nomeação no Diário Oficial da União para o cargo dentro da Presidência da República e seus documentos funcionais, assim como um contato visual para comprovar a identidade da fonte. TE PODRÍA INTERESAR Dino manda recado aos golpistas: os que não forem punidos agora, serão a partir de 1º de janeiro TIC TAC Dino manda recado aos golpistas: os que não forem punidos agora, serão a partir de 1º de janeiro VÍDEOS: Bolsonaristas queimam carros, tentam invadir sede da PF e promovem terrorismo ARRUAÇA VÍDEOS: Bolsonaristas queimam carros, tentam invadir sede da PF e promovem terrorismo “O que está acontecendo e, principalmente o que ocorreu ontem em Brasília, é terrorismo de Estado. O GSI está na cabeça disso, e o uso da área do QG, que é militar, é do Exército, não é à

Servidor da PF lotado na Presidência acusa GSI por terror em Brasília Read More »

Primeira ordem de Lula às Forças Armadas será desfazer atos golpistas em frente aos quartéis

Do 247 Uma das primeiras ordens que o presidente diplomado, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), dará às Forças Armadas será para desfazer os atos golpistas que os bolsonaristas fazem em frente a diversos quartéis do país, informa o Estado de S. Paulo. A orientação já será passada na primeira conversa que Lula terá com os novos comandantes militares, a serem ainda confirmados por ele. A decisão de ordenar o fim dos protestos golpistas já havia sido tomada antes mesmo da noite de terror promovida por terroristas golpistas em Brasília nesta segunda-feira (12). “Lula já havia compartilhado com parlamentares de sua base aliada que trataria com os generais do plano de encerrar as aglomerações e acampamentos no entorno das organizações militares”, diz a reportagem. “Um parlamentar que aconselha Lula no diálogo com a caserna disse ao Estadão que não se trata de um pedido, mas da necessária articulação, já em andamento, para acabar com as aglomerações e que o maior problema é justamente a participação de integrantes da reserva e da família militar nos atos, bem como o apoio dos Clubes Militares”, complementa o texto. Em conversa com a cúpula do Avante no hotel onde despacha em Brasília, no último dia 8, Lula afirmou considerar as concentrações um “desrespeito” às próprias Forças Armadas. Randolfe pede indiciamento de Michelle Bolsonaro e desocupação do Palácio da Alvorada O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), integrante da equipe de transição do presidente diplomado, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), afirmou que vai pedir ao Supremo Tribunal Federal (STF) o indiciamento da primeira-dama, Michelle Bolsonaro, no âmbito do inquérito dos atos antidemocráticos, além de solicitar a desocupação do Palácio da Alvorada por parte dos bolsonaristas. A ação foi apresentada na esteira dos atos terroristas promovidos por bolsonaristas na noite da segunda-feira (12) em Brasília, poucas horas após a diplomação de Lula pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). “O Palácio da Alvorada não é uma residência particular, é uma dependência pública, que daqui alguns dias necessitará ter um novo morador. O atual inquilino não pode ocupar o Palácio da Alvorada para que ele seja vandalizado e não pode dar guarida, acobertar criminosos lá dentro. Estou pedindo o indiciamento da senhora Michelle Bolsonaro no âmbito do inquérito dos atos antidemocráticos. Além disso, se essa ocupação no âmbito do Palácio da Alvorada persistir, que ele seja desocupado de imediato”, disse Randolfe em entrevista à CNN Brasil. Ainda segundo ele, “os fatos de ontem começam a se desenrolar ao fim da tarde, quando manifestantes – manifestantes, desculpem, é o termo inadequado. Quando terroristas, vândalos se dirigem ao Palácio da Alvorada e são recebidos, inclusive com suprimentos, com alimentação, no dizer dos ocupantes do Palácio da Alvorada, dispostos pela própria primeira-dama. No final do dia de ontem, nós recebemos a informação de que alguns desses terroristas que estão acampados há alguns dias aqui em Brasília, que inclusive já tiveram ordem de prisão – ou pelo menos de investigação – por parte do inquérito dos atos antidemocráticos estavam acolhidos no âmbito do Palácio da Alvorada. Tudo isso é gravíssimo”. Randolfe também ressaltou que irá pedir a apuração e responsabilização dos extremistas que promoveram os atos de violência em Brasília, além do indiciamento das lideranças dos acampamentos bolsonaristas em função da defesa de teses golpistas e antidemocráticas. “Estamos pedindo a rigorosa apuração dos fatos de ontem, assim como o indiciamento, no mesmo inquérito, e com eventual prisão cautelar, dos líderes dos atos terroristas praticados no dia de ontem. Corroborado com estes dois fatos, também a necessidade de dispersão dos atos antidemocráticos que ocorrem na capital da República na véspera da posse do novo presidente da República”, afirmou o parlamentar.

Primeira ordem de Lula às Forças Armadas será desfazer atos golpistas em frente aos quartéis Read More »

Margareth Menezes terá o compromisso de reconstruir o Ministério da Cultura

Da Redação A cantora Margareth Menezes confirmou nesta terça-feira, 13, que foi convidada pelo presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para ser ministra da Cultura e aceitou. Na manhã desta terça, a cantora se reuniu com Lula no hotel em que o petista está hospedado em Brasília. “O presidente me disse que quer fazer Ministério da Cultura forte”, afirmou a futura ministra da Cultura ao chegar ao Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), sede do governo de transição. Considerada um dos ícones do Axé, Margareth faz parte da equipe de transição e vai se apresentar na cerimônia de posse. A cantora é idealizadora da Associação Fábrica Cultural e embaixadora do Folclore e da Cultura Popular do Brasil pela IOV/UNESCO. Margareth assume com o compromisso de reconstruir o Ministério da Cultura que foi extinto pelo governo Jair Bolsonaro e transformado em uma secretaria vinculada ao Ministério do Turismo. Durante a campanha, Lula disse que, se eleito, iria recriar o Ministério da Cultura.  

Margareth Menezes terá o compromisso de reconstruir o Ministério da Cultura Read More »

O Brasil dos derrotados

Por Simão Zygband   Os atos de vandalismo praticados na noite desta segunda-feira (12) em Brasília, por terroristas bolsonaristas derrotados, logo após a diplomação do presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva, é o retrato do que foram os quatro anos do desgoverno de Jair Bolsonaro, um genocida que incentiva a barbárie e, se o Brasil fosse um país sério, o colocaria no lugar onde já deveria estar há muito tempo, desde quando elogiou o torturador sanguinário, Alberto Brilhante Ustra: atrás das grades. A permissividade e a leniência são os pais do fascismo brasileiro. Bolsonaro fez o que bem entendeu nos últimos quatro anos por que contou com a complacência do Poder Judiciário. Mas o futuro ministro da Justiça do governo Lula, Flávio Dino, já se pronunciou, antes mesmo de assumir o cargo, dizendo que não haverá anistia para os crimes bolsonaristas e que os episódios ocorridos em Brasília são “inaceitáveis”. Desnecessário dizer que Jair Bolsonaro foi o agente do caos, resultado de uma personalidade psicótica, eivada de crueldade, à imagem e semelhança de seus eleitores. E olhe que país doente vivemos, quando um genocida como ele consegue 57 milhões de votos nas urnas. É bem provável que os relatórios do Grupo de Transição tragam resultados tão alarmantes a ponto de arrepiar os cabelos dos calvos. O jornalista Bernardo Mello Franco, escreve em sua coluna em O Globo: “Depois de furar cinco vezes o teto de gastos, o presidente raspou o que sobrava no cofre para tentar se reeleger. Não conseguiu e deixará o governo em estado de calamidade. O cenário de descalabro aumentou os desafios da transição. Mais que um diagnóstico, será preciso fazer uma autópsia do desastre bolsonarista”. Os números Os terroristas e arruaceiros incentivados por Jair Bolsonaro, com fechamento de rodovias, acantonamento em quartéis e baderna generalizada em Brasília, como disse anteriormente, são o retrato dos anos de trevas do bolsonarismo, um desgoverno que é a amalgama de tudo que há de pior no país: militares corruptos (sobretudo no oficialato), banditismo das milícias, pastores pentecostais achacadores de pobres (e isentos de pagamento do IR), narcotraficantes (só no avião presidencial havia 40 quilos de cocaína apreendidos na Espanha), empresários sonegadores e financiadores do golpe, enfim, uma longa ficha corrida de maus brasileiros. Só para se ter uma ideia do que foi o desastre do desgoverno Bolsonaro, vamos nos ater apenas aos números da economia, onde a nuvem de gafanhotos arrebentou os cofres públicos com uma voracidade nunca antes presenciada. Veja uma comparação entre a direção do miliciano e a do Lula: Lula deixou o país como sendo a 6ª economia do mundo. Bolsonaro vai deixá-la em 12º lugar; crescimento médio do PIB de 3,7% contra 1,5% do genocida;  desemprego de 4,8% contra 13,7%, assim como uma queda de 8.8% no rendimento real do trabalhador do extremista, mais uma das obras sádicas do Coiso. Chega. Vamos nos preparar agora para a posse de vencedor, passar uma borracha no passado, sem nos esquecermos de punir os responsáveis.  

O Brasil dos derrotados Read More »

Bolsonaristas tentam invadir a PF. Cadê o líder?

Por Altamiro Borges No final da tarde desta segunda-feira (12), no dia da diplomação de Lula no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), bolsonaristas ensandecidos tentaram invadir a sede da Polícia Federal em Brasília. Os terroristas incendiaram mais de dez carros e cinco ônibus. Eles também tentaram se dirigir ao hotel onde estão hospedados o presidente e o vice-presidente eleitos pelo povo brasileiro. As milícias fascistas, porém, foram contidas pela ação – bastante branda – da polícia do Distrito Federal. Segundo relato da Folha, o tumulto teve início logo após a detenção do jagunço bolsonarista José Acácio Serere Xavante, que se traveste de líder indígena e pastor evangélico. A ordem de prisão foi expedida por Alexandre de Moraes, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), a pedido da própria Procuradoria-Geral da República (PGR). Ela foi cumprida pelos agentes da Polícia Federal, que conduziram o terrorista até a sede da corporação, na Asa Norte de Brasília. O líder de vários episódios de vandalismo Em sua solicitação, a PGR argumenta que o terrorista José Acácio promoveu inúmeros atos de vandalismo nos últimos dias, tentando criar um clima de medo e violência no período que antecede a posse de Lula. Ele chefiou as arruaças diante do hotel que hospeda o presidente eleito, em frente ao Congresso Nacional, no Aeroporto Internacional de Brasília, no Park Shopping e na Esplanada dos Ministérios. “A manifestação, em tese, criminosa e antidemocrática, revestiu-se do claro intuito de instigar a população a tentar, com emprego de violência ou grave ameaça, abolir o Estado democrático de Direito, impedindo a posse do presidente e do vice-presidente da República eleitos”, afirma o pedido. Diante das alegações da PGR, Alexandre de Morares determinou a detenção do chefe terrorista. “A restrição da liberdade do investigado, com a decretação da prisão temporária, é a única medida capaz de garantir a higidez da investigação”, explicou em sua decisão. Na sequência, a prisão desencadeou os atos de vandalismo, conforme descreve a Folha: “Com o preso no prédio da PF, apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (PL) tentaram invadir o local. Após serem repelidos pela polícia, os manifestantes foram para outras vias da cidade e passaram a atear fogo em ônibus e em carros. Eles ainda depredaram postes de iluminação. Vestidos com camisas amarelas e bandeiras do Brasil, eles também quebraram veículos que estavam estacionados próximos ao prédio da PF. Policiais reagiram e houve tumulto no local. Bolsonaristas arremessavam pedras, e bombas de efeito moral foram jogadas para tentar conter a depredação”. O comandante-em-chefe dos atos terroristas “O confronto também fez a Polícia Federal e a PM reforçarem a segurança no prédio onde Lula está hospedado. Policiais do grupo de elite da PF foram enviados para o local e a PM criou um cordão de isolamento na entrada do hotel. Há ainda agentes da PM com armamento mais pesado que se posicionaram perto do prédio onde Lula está hospedado. Por volta das 21h, era possível ver próximo ao hotel um ônibus pegando fogo. Às 21h35, a equipe de segurança do hotel orientou quem estava em frente ao prédio a entrar no estabelecimento”, complementa a reportagem. Diante desse episódio grotesco, cópia rastaquera da invasão do Capitólio nos EUA, agora se aguarda uma postura rigorosa dos responsáveis pela defesa da Constituição e do Estado Democrático de Direito. Os envolvidos na ação criminosa devem ser processados, julgados e condenados. Mas é preciso responsabilizar o incitador e comandante-em-chefe dessas milícias: Jair Bolsonaro. Por mais esse ato terrorista, ele merece ser exemplarmente punido. A cadeia deve ser o destino final do “capetão”! Altamiro Borges é jornalista, coordenador do Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé e editor do Blog do Miro   Matéria publicada originalmente no link abaixo do blog do Miro https://altamiroborges.blogspot.com/2022/12/bolsonaristas-tentam-invadir-pf-cade-o.html

Bolsonaristas tentam invadir a PF. Cadê o líder? Read More »

Rolar para cima