Construir Resistência

6 de setembro de 2022

O colapso da nova ordem, de B. Kucisnki

Por Joana Monteleone     O governo Jair Bolsonaro mal havia começado quando B. Kucinski publicou, pela Alameda, sua novela distópica A Nova Ordem. Dialogando com uma tradição literária de debate quase que explícito com a realidade, Kucinski expôs um modo de agir que pode ser considerado uma crítica, ao mesmo tempo, ao modo de governar em ascensão por aqui e a um certo zeitgeist que ultrapassa as fronteiras nacionais. O colapso da Nova Ordem, sequência de A Nova Ordem, chega às livrarias na reta final do governo reacionário que nos aflige. Recuperando a experiência dos últimos anos, inclusive a da gestão da pandemia, Kucinski como que aprofunda e descortina essa espécie de janela de oportunidade provocada pela Covid-19 que serviu para amplificar a exploração da pobreza de muitos. No novo livro, o planejamento destrutivo dos militares no poder mostra-se mais ambicioso e mais cruel. Uma nova peste expande a violência das tramas palacianas. Mecanismos perversos de acumulação de dinheiro e poder se descortinam. A trama distópica ganha clareza e sentido, aprofundando o mecanismo posto em marcha anteriormente. É preciso ler B. Kucisnki. Antes que seja tarde demais. Por que a Nova Ordem pode colapsar, mas seu legado não será pequeno.   B. Kucinski é um dos mais ativos escritores contemporâneos brasileiros. Premiado recentemente pela Fundação Biblioteca Nacional pelo romance juvenil “Júlia – Nos campos conflagrados do Senhor”, Kucinski é autor, também pela Alameda, da novela “A Nova Ordem” e “A cicatriz e outras histórias”, de contos. Kucinski também é autor do consagrado “K. – Relato de uma busca”, atualmente publicado pela Companhia das Letras.   Acesse o site para comprar  https://www.alamedaeditorial.com.br/colapso-da-nova-ordem-kucinski

O colapso da nova ordem, de B. Kucisnki Read More »

Festival Soy Loco Por Ti Juquery começa nesta quarta-feira (7)

  Em 2022 celebramos a 5ª edição do Soy Loco, um festival que nasceu com a proposta de ocupar os prédios do Juquery e ressignificá-los através da arte. Após dois anos de edições com formatos alternativos, devido à pandemia, voltamos ao presencial. É importante o encontro físico, após esse momento de sofrimento e de aumento significativo das crises na saúde mental. Celebramos, pois em 2021 os últimos moradores-pacientes do Juquery foram transferidos e novos ciclos se abriram para o espaço. Celebramos a inauguração do MAOC (Museu de Arte Osório Cesar), um marco para a cidade de Franco da Rocha. Celebramos através do riso, do circo, do lúdico, das obras singelas e potentes de Nailton, artista que tem acompanhado de perto esses cinco anos de nossa história.  A arte é, sem dúvidas, um dos meios mais potentes de cura, seja criando espaços de conforto, onde se pode ser tudo aquilo que se é, seja pela sua potência de jogar luz às questões relevantes de nossa sociedade. O Soy Loco Por Ti Juquery celebra a todos que nos acompanharam durante esses cinco anos, os artistas e o público, todas as sementes que daqui nasceram e estão pelo mundo gerando frutos. Como diz o nosso ícone Ranulfo Faria, músico (e muito mais) de Franco da Rocha, trata-se de uma refundação do Juquery, através da arte. E não há pilar mais sólido do que este para a criação de uma nova história. Que seja lindo, que seja leve, que seja profundo, que reverbere!   5º FESTIVAL SOY LOCO POR TI JUQUERY DE 07 A 11 DE SETEMBRO COMPLEXO HOSPITALAR JUQUERY E Museu de Arte Osório Cesar   PROGRAMAÇÃO DIA A DIA   07 SET – QUARTA-FEIRA   15H – ABERTURA DO IV SEMINÁRIO E LANÇAMENTO DO LIVRO “Aurora: memórias e delírios de uma mulher da vida” de Silvana Jeha e Joel Birman (PRESENCIAL E ONLINE) Palestra: Silvana Jeha, doutora em História pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2011). Em seu pós-doutorado pelo Programa de Teoria Psicanalítica do Instituto de Psicologia da UFRJ pesquisou sobre Aurora Cursino dos Santos, artista do MAOC. Horário: 15h às 18h Local: Auditório da Secretaria de Educação e Cultura e Online Classificação indicativa: 12 anos   08 SET – QUINTA-FEIRA   11H – ARTES VISUAIS/ PERFORMANCE-  INAUGURAÇÃO OFICIAL DA OBRA “EQUILÍBRIO” DE ELISA BRACHER (PRESENCIAL) A artista Elisa Bracher criou a escultura permanente “Equilíbrio” para o Soy Loco Por Ti Juquery de 2019. Mas a sua inauguração oficial, que aconteceria em 2020, teve que esperar por conta da pandemia. Agora, enfim, a artista faz um bate-papo sobre a obra, aberta ao público, mas voltada especialmente a educadores. Local: Em frente à obra, próximo ao MAOC Classificação indicativa: Livre   14H –  IV SEMINÁRIO – “Os modernismos no Juquery” (ONLINE) Mesa sobre Curadoria e o acervo do MAOC  Palestrantes: Ricardo Resende, curador da exposição Bispo do Rosário – eu vim: aparição, impregnação e impacto (2022), no Itaú Cultural e curador do Museu Bispo do Rosário Arte Contemporânea. Fernanda Pitta, consultora da exposição Raio-que-o-parta: ficções do moderno no Brasil (2022), no Sesc 24 de Maio. André Pitol, curador da exposição que ocorrerá em outubro (2022) no Sesc Pompéia. Yudi Rafael, curador da exposição que ocorrerá em outubro (2022) no Sesc Pompéia. Horário: 14h às 15h30 Local: Online Classificação indicativa: 12 anos   16H-   IV SEMINÁRIO – “Arte, Psicanálise e Modernismos: a loucura na modernidade brasileira” (ONLINE) Mesa sobre Abordagens teóricas e críticas sobre o modernismo brasileiro Palestrantes: Gustavo Dionísio, escritor do livro “O antídoto do mal: crítica de arte e loucura na modernidade brasileira.” Mestrado e Doutorado em Psicologia Social pelo Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (IP-USP). Bianca Coutinho Dias, psicanalista, escritora, ensaísta e crítica de arte. Mestre em Estudos Contemporâneos das Artes pela Universidade Federal Fluminense – UFF (2017). Pesquisa sobre as influências do pensamento freudiano no movimento modernista. Cesar Kiraly, professor de Teoria Política no Departamento de Ciência Política da UFF, psicanalista e curador de arte. Pesquisa sobre as influências de Freud na Arte Contemporânea. Horário: 16h às 17h30 Local: Online Classificação indicativa: 12 anos   09 SET – SEXTA-FEIRA   13H – FEIRA DE ECONOMIA SOLIDÁRIA DE FRANCO DA ROCHA (PRESENCIAL) Horário – das 13h às 20h   13H – EXPOSIÇÃO “Nailton: Artista e Cidade” (PRESENCIAL) Nailton Silva Fernandes é um artista contemporâneo livre que frequenta e transita pelos equipamentos municipais de cultura e de saúde mental de Franco da Rocha, sem nunca ter passado por uma internação psiquiátrica. Adentra o Juquery como artista, partindo da sua relação com a cidade, para apresentar suas criações artísticas.  Entre a arte, a saúde mental e a cidade, Nailton Silva Fernandes apresenta obras formadas por desenhos em papel e esculturas a partir da reutilização de materiais como papelão, fitas adesivas e Etileno Acetato de Vinila (EVA) em instalações na Varanda do Museu de Arte Osório Cesar (MAOC) e seu entorno, formado pelo Jardim e Setor Educativo, em diálogo com a área do Teatro de Arena Ubirajara Ferreira Braga e o Bosque Joaquim Pinto de Oliveira – Tebas do Parque Municipal Benedito Bueno de Morais. Natural de Camacan, Bahia, Nailton tem Franco da Rocha como seu local de morada e convívio há bastante tempo.    A exposição está em diálogo com a Mostra de Curtas-Metragens na Sala de Vídeo do MAOC, que apresenta o fotofilme “À muitas mãos” (2022), editado e dirigido por Elielton Ribeiro a partir de uma pesquisa artística e curatorial que inclui fotografias de obras de Nailton, retratos do artista e áudios dos dois artistas sobre os processos de criação que resultaram na obra audiovisual.  A vetorização dessas fotografias de obras é parte do processo de criação da identidade visual do 5° Soy Loco Por Ti Juquery com linhas, traços e cores das composições do artista Nailton. De 09 a 11/ setembro Horário: 13h às 18h Local: Área externa do MAOC – Museu de Arte Osório César Classificação indicativa: Livre   13H – CINEMA – “1ª MOSTRA DE CURTAS-METRAGENS DO MAOC” (PRESENCIAL) Durante mais

Festival Soy Loco Por Ti Juquery começa nesta quarta-feira (7) Read More »

Rolar para cima