Construir Resistência

19 de agosto de 2022

No país da fome, entregador aplica golpe e furta a comida

Do Facebook    Pronto, agora há golpe até pra roubar a comida que você comprou pelo aplicativo. Nada como ter um péssimo exemplo na presidência da República, que tem matado o povo de fome, inclusive os trabalhadores de entrega de alimentos. Funciona assim: quando você encomenda um prato, o entregador pede que você forneça um código de 4 dígitos para entregar sua comida. Este código, fixo, são os 4 últimos números de celular. O entregador que quer realizar um golpe e pegar sua comida entra em contato e diz “não consigo encontrar seu endereço, poderia me enviar sua localização pelo WhatsApp?”. Quando você envia, ele tem acesso aos 4 últimos dígitos de seu número, que são justamente o código que permite confirmar a entrega da comida. Ele confirma, fica com a comida pra ele e é a palavra dele contra a sua. De todos os golpes, esse é singular e um tanto deprimente. O sujeito está se queimando pra ficar com sua comida japonesa? Pra ficar com seu açaí na tigela? Me dá pena, de verdade. Ele vai conseguir aplicar esse golpe quantas vezes até ser desligado da plataforma? A que ponto o Brasil chegou com Bolsonaro. Tanto esforço pra roubar comida. Não aconteceu comigo. Mas estou sempre vendo o mal em tudo. Se um entregador me pede pra enviar mensagem, eu imediatamente pensarei: quer meu número pra saber o código de entrega. Mas tem ocorrido bastante. Se o entregador do iFood pedir que vocês enviem localização, não faça isso pelo WhatsApp. Os trabalhadores de aplicativos são explorados e EXTREMAMENTE mal remunerados. Culpa do modelo implantado por Temer e Bolsonaro.   AJUDE O CONSTRUIR RESISTÊNCIA CLICANDO E OLHANDO OS ANÚNCIOS DA PÁGINA. NÃO CUSTA NADA E AJUDA NA MANUTENÇÃO DO SITE. VAMOS DERROTAR O BOLSONARISMO E ESTE É UM DOS INSTRUMENTOS DE LUTA

No país da fome, entregador aplica golpe e furta a comida Read More »

MORAES FOI CORRETO E CORAJOSO, MAS NÃO ESPEREMOS MAIS QUE ISSO DELE

Por Fernando Castilho Tendo a seu lado o atual, Jair Bolsonaro e à sua frente o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o ministro Alexandre de Moraes, empossado como novo mandatário do Tribunal Superior Eleitoral, foi autor de um discurso forte em defesa das urnas eletrônicas, da Democracia, do Estado de Direito e da punição a quem divulgar fake news durante a campanha eleitoral que ora se inicia. O capitão acusou o golpe recusando-se a aplaudir a corajosa fala enquanto Lula, encerrada a cerimônia, recebeu efusivo cumprimento do novo presidente do TSE. Imediatamente nas redes sociais, petistas utilizaram novamente o apelido de Xandão para manifestarem sua alegria, carinho e confiança pelo mais novo herói nacional. Ao ler as postagens, me senti pequeno. É claro que a atitude de Moraes foi corretíssima e muito importante para pulverizar qualquer tentativa de golpe por parte do capitão, mas isso não significa que  ele esteja querendo contribuir para a eleição de Lula. Ele fez apenas seu papel, ou seja, o que se espera dele enquanto defensor da Constituição e da legislação eleitoral, embora, repito, de maneira corajosa. Outros petistas preferiram lembrar de maus posicionamentos de Moraes com relação a Lula e ao PT, como se valesse cobrar dele um broche com a estrelinha vermelha no peito. Ele foi colocado no STF por Temer, lembram-se? Nós, que desejamos Lula mais uma vez na presidência do país, não o fazemos se não pela confiança que temos nele como o único motor que sinceramente vai trabalhar 24 horas por dia para recuperar a terra arrasada em que o Brasil se tornou após mais de 3,5 anos de desgoverno do capitão. Lula está em primeiro lugar em todas as pesquisas e deverá vencer, se não no primeiro turno, no segundo. Somos a maioria no país, portanto, temos que pensar grande. Devemos compreender que existem dois passos fundamentais para que o povo brasileiro volte a experimentar o bem-estar social a partir do próximo ano. Primeiro passo: a realização das eleições, ainda ameaçadas por golpe. Sem elas, Lula não se elege; Segundo passo: a consagração de Lula como vitorioso. Para que o primeiro passo seja dado, toda e qualquer força que se disponha a se engajar nessa luta, é muito bem-vinda. É aí que entra Alexandre de Moraes, dentro dessa perspectiva histórica, sem paixões ou emoções. Se Moraes se apresentou como essa força poderosa, afinal, é presidente do TSE, que a utilizemos a nosso favor. Sejamos realistas no dia em que ele se posicionar contrariamente a medidas do governo Lula porque esse dia virá, com certeza. No mais, tenhamos consciência de nossa força, demonstrada no comício de Belo Horizonte. E que a demonstremos mais uma vez em São Paulo, 20 de agosto!   Fernando Castilho e arquiteto e professor. Criador do blog Análise & Opinião

MORAES FOI CORRETO E CORAJOSO, MAS NÃO ESPEREMOS MAIS QUE ISSO DELE Read More »

Oposição pede prisão de empresários bolsonaristas golpistas

Da liderança do PT na Câmara Federal   Além dos partidos, mais de 200 entidades apresentaram no STF notícia-crime denunciando grupo de empresários que estimulam golpe de Estado pelo WhatsApp caso Lula vença as eleições Líderes do Partido dos Trabalhadores (PT), partidos de oposição ao governo de Bolsonaro e entidades da sociedade civil acionaram o Supremo Tribunal Federal (STF) para investigar empresários que, em um grupo de WhatsApp, estimulam o golpe de Estado caso o resultado das eleições seja a vitória de Lula como presidente do Brasil. Os documentos protocolados como notícia-crime pedem ações e providências urgentes contra os bolsonaristas. A Coalizão em Defesa do Sistema Eleitoral, que reúne mais de 200 entidades e organizações da sociedade civil, firmou compromisso com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de defender o sistema eleitoral dos constantes ataques promovidos por Bolsonaro e setores do governo contra o processo eleitoral brasileiro, a Justiça Eleitoral, juízes e servidores. O grupo de entidades pede que os empresários Luciano Hang (Havan), Afrânio Barreira Filho (Coco Bambu), Ivan Wrobel (W3 Engenharia) e Marco Aurélio Raymundo (Mormaii) sejam incluídos no Inquérito 4.874/DF, relatado pelo ministro do STF e do TSE, Alexandre de Moraes, que apura suposta presença de indícios e provas acerca da existência de organização criminosa, de forte atuação digital e com núcleos de produção, publicação, financiamento e político, com a possível finalidade de atentar contra a democracia e o Estado de Direito. Ameaça à democracia A defesa de um golpe pelos empresários bolsonaristas é visto como uma ameaça à democracia e aos direitos trabalhistas do povo brasileiro. Na notícia-crime protocolada nesta quinta-feira (18), a Coalizão também solicita: Que sejam requeridos os celulares dos noticiados e dos demais membros do grupo de WhatsApp denominado “Empresários & Política”; A quebra de sigilo telefônico para verificar a autenticidade das mensagens trocadas e se elas coincidem com a participação nos ataques sistematizados, com o uso das redes sociais como instrumento de agressão, de propagação de discurso de ódio e de ruptura ao Estado de Direito e da Democracia; A investigação sobre a atuação dos denunciados na preparação e financiamento dos atos do próximo dia 7 de setembro. No documento, a Coalizão denuncia a postura dos golpistas que afrontam a Lei 14.197/2021, que criou os crimes contra o Estado Democrático de Direito. “Os fatos descritos demonstram inequivocamente a vontade, livre e consciente dos noticiados de perturbar a eleição de 2022, alimentando de forma sistemática um discurso de descrédito às urnas eletrônicas, às instituições da Justiça Eleitoral, aos ministros que tiveram ou que estão na jurisdição eleitoral no Tribunal Superior Eleitoral. As ameaças de ruptura institucional discutidas por pessoas com grande poder econômico dispostas a patrocinar atentados contra instituições não podem ser relativizadas”. Pedido de prisão Líderes petistas e partidos de oposição ao governo de Bolsonaro pediram na notícia-crime a prisão em flagrante ou, após análise da Procuradoria-Geral da República (PGR) e do Ministério Público Federal (MPF), a prisão preventiva dos integrantes do grupo e a quebra do sigilo telefônico e telemático de todos os envolvidos. O documento, que pede ações e providências “urgentes”, foi encaminhado ao ministro Alexandre de Moraes, também presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), relator do inquérito das milícias digitais no Supremo, que apura a existência de uma organização criminosa digital que atuaria contra a democracia. “Infelizmente, trata-se claramente de mais um ataque ao Estado Democrático de Direito, que dia após dia, vem sofrendo com a postura agressiva de representantes do governo e seus apoiadores, estimulada, pessoalmente, pelo titular máximo da República, que descumpre seu juramento constitucional realizado na posse e não declara abertamente o apoio à ditadura militar, a desconfiança do sistema da justiça eleitoral”, diz trecho do documento. O líder do PT na Câmara, deputado Reginaldo Lopes (MG); a presidenta nacional do PT, deputada Gleisi Hoffmann (PR); e o líder da Minoria na Câmara, deputado Alencar Santana (PT-SP), assinaram a notícia-crime contra os empresários. Para os parlamentares as mensagens são imorais e conspiram contra o Estado Democrático de Direito. “Foram revelados registros inéditos de conversas produzidas em grupo de rede social composto por empresários brasileiros apoiadores do atual governo do presidente Jair Bolsonaro, ali também participando o juiz federal do Trabalho no TRT9 (PR), Sr. Marlos Melek que, de maneira vil, antirrepublicana, imoral e criminosa, conspiram contra o Estado Democrático de Direito, o Sistema de Justiça Eleitoral e a soberania popular, articulando e defendendo proposta de golpe de Estado”.   AJUDE O CONSTRUIR RESISTÊNCIA CLICANDO E OLHANDO OS ANÚNCIOS DA PÁGINA. NÃO CUSTA NADA E AJUDA NA MANUTENÇÃO DO SITE. VAMOS DERROTAR O BOLSONARISMO E ESTE É UM DOS INSTRUMENTOS DE LUTA

Oposição pede prisão de empresários bolsonaristas golpistas Read More »

Taiguara livre e senhor de si

Por Fernando do Valle Uruguaio de nascimento, Taiguara Chalar da Silva, o Taiguara, foi um dos mais combativos cantores brasileiros. Em tupi, Taiguara significa “livre, senhor de si”, portanto, seu pai Ubirajara, bandeonista e sua mãe, a cantora Olga acertaram na escolha do nome do filho. Duramente perseguido pela censura da ditadura militar, o músico teve 68 de suas músicas censuradas. O cantor Taiguara teve 68 músicas censuradas pela ditadura militar Se estivesse vivo, Taiguara completaria hoje 77 anos. Ele nasceu em 9 de outubro de 1945 e morreu em 14 de fevereiro de 1996. Com 4 anos, o cantor muda-se para o Rio com os pais e com apenas 8 anos já se arrisca ao piano, presente de seu avô. Com 15 anos, veio para São Paulo e em pouco tempo começa a tocar em bares da capital paulista, onde se apresenta com a cantora Claudete Soares, que o ajuda no início da carreira. No final dos anos 60, Taiguara fica conhecido do grande público nos festivais. Em 1976, ele lança o mítico disco “Imyra, Tayra, Ipy” com músicos do naipe de Hermeto Pascoal, Wagner Tiso, Toninho Horta, entre outros. Muito perseguido pela censura, cantor credita as letras do disco a sua mulher, Ge Chalar, e consegue lançar o disco. A estratégia durou 72 horas, tempo que a tiragem do disco durou nas lojas antes de ser recolhida. Taiguara em sua casa “Trago em meu corpo as marcas de meu tempo/Meu desespero, a vida num momento” e “Eu não queria a juventude assim perdida/Eu não queria andar morrendo pela vida” (trechos da música Hoje de Taiguara). No exílio, Taiguara morou na Espanha, na França e na Tanzânia, onde estudou jornalismo e chegou a escrever um livro que nunca foi publicado. Apesar disso, alguns lançamentos recentes mantêm viva a memória dele. O filho do cantor, Lenine Guarani, gravou um disco com músicas do pai, a jornalista Janes Rocha escreveu o livro-reportagem “Os Outubros de Taiguara” e a gravadora Karup lançou o CD póstumo “Ele Vive” com canções inéditas recuperadas. Hoje”: https://youtu.be/j614MaIvYXE     Fernando do Valle é Mestre em Tecnologias da Inteligência pela PUC-SP com a dissertação “Aspectos da mídia livre como resistência digital” e jornalista (formado e pós-graduado em Jornalismo Multimídia pela PUC-SP) com mais de 25 anos de experiência. Criou o Zonacurva em 2011 como espaço para a prática do jornalismo livre e crítico nas redes digitais.   Texto publicado originalmente no link abaixo do Zona Curva https://www.zonacurva.com.br/taiguara-livre-e-senhor-de-si/?fbclid=IwAR0RMr0vk3gwVZziNyaYW2vISl1mzn1_B48SLCzanQZMrCTrWPOGSmEJkqI  

Taiguara livre e senhor de si Read More »

Rolar para cima