Construir Resistência

2 de junho de 2022

Uma modesta defesa, já que tomei pito por causa de Lula

  Uma hora atrás, nesta noite de quinta-feira, tomei um cruzado de esquerda no queixo, de modo privado. Por quê? Porque estaria escrevendo sobre as “futilidades da moda” e outros assuntos irrelevantes, em vez de colaborar com a campanha de Lula à presidência.   É o tipo de comentário que deixa mágoa na gente. Mágoa […]

Uma modesta defesa, já que tomei pito por causa de Lula Read More »

“A única escola ideologizada no Brasil é a cívico-militar”

Compartilhado da seção Educação da CartaCapital  Reportagem de Ana Luiza Basilio com o educador Daniel Cara  Para Daniel Cara, o ‘projeto’ para 2035 e a proposta que chega à Câmara prevendo mensalidade em universidades públicas mostram a falta de compromisso da caserna com o Brasil. Ao apresentarem seu ‘projeto de nação’ com projeções para o País

“A única escola ideologizada no Brasil é a cívico-militar” Read More »

Sonia Castro Lopes

O diabo é mais feio do que se pinta quando o assunto é educação

Por Sonia Castro Lopes Toda legislação que esbulha direitos dos cidadãos ou impõe medidas retrógradas nesse país é sempre atenuada por concessões ou condicionantes que lhe conferem um sentido mais palatável despertando em seus destinatários a impressão de que “o diabo não é tão feio como se pinta.” Nos limites desse texto, faremos algumas considerações

O diabo é mais feio do que se pinta quando o assunto é educação Read More »

Bolsonaristas usam escolas paramilitares para doutrinar crianças

CONSTRUIR RESISTÊNCIA recomenda  a leitura desta matéria publicada no Congresso em Foco Por Vanessa Lippelt Na Berlim de 1931, a doce voz de um jovem alemão, adolescente ainda, irrompe entoando a canção “O amanhã pertence a mim” cujos versos dizem “o sol no prado é quente de verão | O cervo na floresta corre livre

Bolsonaristas usam escolas paramilitares para doutrinar crianças Read More »

Mário de Andrade, um administrador inventivo e democrático

  Por Haroldo Ceravolo Sereza Em 1933, o dramaturgo alemão Hanns Jost escreveu, numa crítica aguda ao nazismo de Adolf Hitler, a seguinte fala: “Quando ouço a palavra cultura, saco logo meu revólver”. Luiz Roberto Alves nos propõe, neste ensaio, algo no espaço diametralmente oposto. É como se os personagens deste de seu livro estivessem

Mário de Andrade, um administrador inventivo e democrático Read More »

Rolar para cima